Notícias

Bioimpedância (BIA) versos Dexa: métodos de análise corporal.

Avaliação da composição corporal 


Qual o seu percentual de gordura? 

homem, mulher, evolução



Bioimpedância

Usamos na Clínica Revitalize a tecnologia InBody

A tecnologia InBody revolucionou o campo da bioimpedância e atualmente integra a mais avançada linha de produtos do mercado.

O InBody tem hoje a confiança dos melhores hospitais, médicos, nutricionistas, educador físico, academias e equipes esportivas profissionais.                     O teste InBody é rápido, preciso e não invasivo.

tecnologia inbody


A análise da impedância bioelétrica (BIA) é um método de quantificação da composição corporal que consiste na passagem de uma corrente elétrica muito leve pelo corpo. 

O exame é baseado no princípio que a impedância ou resistência a uma corrente elétrica está relacionada ao volume e comprimento do condutor, no caso, o corpo humano. Hoffler demonstrou que a quantidade de água corporal é diretamente proporcional ao volume e comprimento do corpo e inversamente relacionada `a resistência elétrica , em seres humanos. Deste modo,  pode-se predizer o conteúdo de água corporal, da massa livre de gordura e considerando o conteúdo mineral uma constante relacionada à altura, pode-se inferir o percentual de gordura. 

A impedância pode ser calculada medindo a corrente e a voltagem segundo a Lei de Ohm (V=RxI). Uma vez que a água é considerada como o único componente do nosso corpo com condutividade elétrica, quando a corrente passa ao longo do corpo, a impedância da água pode ser medida. Com este valor de impedância, o volume total de água do corpo é calculado seguindo fórmulas e algoritmos adequados, conduzindo, por sua vez, ao cálculo da massa magra (músculos e ossos) e da massa gorda (gordura corporal).

O resultado de impedância obtido possibilita o cálculo de volume exato que há de água no organismo, sendo assim computadas com exatidão a quantidade de massa magra e gorda contida no corpo. É importante ressaltar que quanto maior for o percentual de gordura do indivíduo, maior será a complicação para a corrente elétrica atravessar o corpo.

Bioimpedancia


CUIDADOS E ORIENTAÇÕES AO REALIZAR A BIA:

  • Ingerir 1000 ml de água antes do exame (pode ir normalmente ao banheiro).
  • Evitar qualquer estimulante que contenha cafeína: café, chá mate, red Bull, guaraná, refrigerantes, bebida alcoólica  2 dias antes do exame.
  • Não fazer no período pré-menstrual.
  • Não fazer exercício e sauna no dia do exame.
  • Manter sua hidratação por 3 dias de no mínimo 2 litros.
  • Alimentar-se no máximo 4 horas ANTES do exame.
  • Evite de tomar banho quente imediatamente antes do exame.
  • Retirar quaisquer objetos metálicos (brincos, piercings, etc).
  • Caso prótese de silicone informar ao profissional o peso da mesma e descontar da massa de gordura.



Densitometria (DEXA)

A utilização do método de densitometria por dupla emissão de raios-X (DEXA) na avaliação da composição corporal, permite a medida tanto da massa óssea quanto do conteúdo corporal de gordura e massa magra. A confirmação da excelente acurácia e do pequeno erro de precisão do exame, através de estudos comparativos com a análise química da carcaça de animais, tornou-o referência para o estudo de composição corporal em seres humanos.

A densitometria por DEXA do corpo inteiro é o único método que avalia diretamente todos os compartimentos corporais (massa óssea, massa muscular e água, massa gordurosa), sem inferir dados a partir da medida de apenas um compartimento. No exame da composição corporal por DEXA , a água corporal está incorporada ao compartimento de massa magra (músculos), não afetando a medida do conteúdo de gordura ou de tecido ósseo. 

Os demais métodos não-invasivos para avaliação da composição corporal (análise da ativação de nêutrons,  submersão na água,  água marcada, potássio corporal total, etc) requerem a realização de mais de um destes exames para complementação de dados, pois avaliam apenas um compartimento corporal, inferindo os demais. Além disso  são trabalhosos, caros e não estão disponíveis na prática clínica, ficando restritos aos laboratórios de pesquisa.


Existem inúmeras aplicações clínicas do estudo da composição corporal, particularmente na Medicina Esportiva, Obesidade, Anorexia, reabilitação motora de doenças neuro-musculares e em avaliações nutricionais. Outras aplicações incluem a monitorização das alterações de massa magra e de gordura esperadas nos pacientes em uso de hormônio de crescimento, corticosteróides,  esteróides sexuais e nos transplantados em uso de imunosupressores.

O exame, por ser não-invasivo, é muito simples para o paciente, não requer nenhum preparo e tem duração de 10-15min . A radiação é extremamente baixa, semelhante à radiação ambiental que recebemos num dia de sol,  podendo ser repetido quantas vezes for necessário.  O exame é particularmente útil em crianças pela praticidade e fornece uma ótima avaliação da aquisição de massa óssea.

Os coeficientes de variação ( CV% ) dos parâmetros avaliados na composição corporal são comparáveis aos obtidos nos exames de densitometria da coluna lombar e fêmur, em torno de 1 a 2%, oferecendo boa reprodutibilidade de resultados. Apenas a massa de gordura apresenta um CV% um pouco mais elevado, em torno de 3-4%, provavelmente relacionado a heterogeneidade dos tecidos moles em pacientes obesos.

A calibração do densitômetro permite a avaliação de indivíduos com percentual de gordura entre 4 e 50 %, até 135 kg e com medida sagital na altura do  abdômen de até 30 cm, perdendo muito sua precisão a partir destes limites. 


Uma vantagem adicional da Densitometria por DEXA  e da BIA InBody é a determinação da composição regional, permitindo o estudo particularizado de braços, pernas, tronco e abdômen. A adiposidade abdominal, que está relacionada à resistência insulínica, dislipidemia e hipertensão arterial,  representa um risco adicional para doença cardiovascular e diabetes.

Em ambos os 2 métodos é importante salientar que a água corporal está incluída no compartimento da massa magra, e portanto distúrbios da hidratação que são observados nas insuficiências cardíaca, renal, hepática, síndromes nefróticas, diabetes e  envelhecimento (maior hidratação muscular e fibrose) podem alterar os valores obtidos, não devendo ser interpretados como alteração de massa muscular, tanto superestimando quanto subestimando.

Resumindo os métodos se complementam porém a praticidade da BIA acaba sendo uma ferramenta rápida e eficiente para análise do profissional. 


Referências Bibliográficas

1. Ellis KJ. 2000 Human body composition: in vivo methods. Physiol Rev 80: 650-671
2. Hoffer EC, Meador CK, Simpson DC. 1969 Correlation of whole-body impedance with total body water volume. J Appl Physiol 27: 531-534.
3.  Kiebzak GM, LeamybLJ, Pierson LM, Nord RH, Zhang ZY. 2000 Measurement  precision of body composition variables using the Lunar DPX-L densitometer. J Clin Densitometry 3: 35-41.
4. Lukaski HC, Marcello MJ, Hall CB, Schafer DM, Siders WA. 1999 Soft tissue composition of pigs measured with dual x-ray absorptionmetry comparison with chemical analysis and effects of carcass thickness. Nutrition 15: 697-703.
5. Biller BMK, Sesmilo GM, Baum HBA, Hayden D, Schoenfeld D, Klibanski A. 2000  Withdrawal of long-term physiological growth-hormone administration: differential effects on bone density and body composition in men with adult-onset GH deficiency. J Clin Endocrinol Metab 85: 970-976.
6. Toth MJ, Tchernof A, Sites CK, Poehlman ET. 2000  Effect of menopausal status on body composition and abdominal fat distribution. Int J Obes 24: 226-231.
7. Sites CK, Calles-Escandon J, Brochu M, Butterfield M, Ashiga T, Poehlman ET. 2000  Relation of regional fat distribution to insulin sensitivity in post-menopausal women. Fertil Steril 73: 61-65.
8. Fox KM, Magaziner J, Hawkes WG, YU-Yahiro J, Hebel JR, Zimmerman SI, Holder L, Michael R . 2000  Loss of bone density and lean body mass after hip fracture. Osteoporos Int 11: 31-35,
9. Fornetti WC, Pivarnik JM, Foley JM, Fiechtner JJ . 1999  Reliability and validity of body composition measures in female athletes. J Appl Physiol 87: 1114-1122.


Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.