Notícias

Burnout é real?

Burnout é real.

Em maio de 2019, a Organização Mundial da Saúde o incluiu oficialmente em sua Classificação Internacional de Doenças. Esse reconhecimento confirmou que o esgotamento não era uma invenção da imaginação, ou algo sofrido apenas por pessoas "fracas" ou "desmotivadas".

Os tratamentos médicos são limitados para esse quadro. A Clínica Mayo recomenda sono e relaxamento.2  Mas agora há esperança para 30% a 72% das pessoas que trabalham com síndrome de burnout.3,4  Em um estudo recente em humanos, os pacientes que tomaram um extrato da erva Rhodiola tiveram reduções profundas nos sintomas de burnout em apenas uma semana. Isso incluiu uma diminuição nos sentimentos de sobrecarga, tensão, fadiga e estresse geral. Ao mesmo tempo, Rhodiola levou a melhorias na cognição e na tomada de decisões de alto nível.5

Este recente ensaio clínico, além de estudos anteriores, mostra que esse extrato de planta de baixo custo fornece uma abordagem muito necessária para a síndrome de burnout, que pode abranger muitos aspectos do envelhecimento normal.


A Verdade Sobre o Burnout

O estresse no local de trabalho está aumentando em todo o mundo.6 A combinação de pressão, fadiga e exaustão relacionadas ao trabalho há muito tempo é chamada informalmente de desgaste. Mas até 2019, não tinha uma definição oficial. Isso mudou com o reconhecimento do esgotamento profissional, na versão mais recente da Classificação Internacional de Doenças, como "uma síndrome ... resultante de estresse crônico no local de trabalho que não foi gerenciado com sucesso".1

A definição lista três sintomas de burnout:1

Sentimentos de baixa energia ou exaustão, maior "distância" mental do trabalho de alguém, ou sentimentos de negatividade ou cinismo em relação ao trabalho, e eficácia profissional reduzida (capacidade de fazer um trabalho bem feito).

Praticamente todas as pessoas que trabalham estão em risco de esgotamento. As taxas variam de 30% em professores e estudantes de medicina a até 72% entre alguns profissionais altamente estressados.3,4,6

Mas como o burnout não era considerado uma síndrome real até recentemente, poucos tratamentos estavam disponíveis.


O que é o Rhodiola?

Rhodiola rosea é uma erva que cresce em regiões frias e montanhosas da Europa e Ásia.\ Suas raízes são ricas em compostos benéficos, incluindo um grupo de substâncias com uma ampla variedade de benefícios à saúde chamados fenilpropanóides. Eles incluem rosavina, resina e rosarin, encontrados apenas em Rhodiola.5 A raiz de Rhodiola é conhecida como adaptógeno, uma planta que ajuda o corpo a se adaptar e resistir ao estresse físico, ambiental e oxidativo.5,7 O extrato seco de Rhodiola é usado há séculos para aliviar o estresse e reduzir a fadiga.5,8,9

Diferentemente das drogas que estimulam o sistema nervoso central, Rhodiola pode melhorar o desempenho sem um "colapso" posterior ou perda da capacidade de trabalho.10-12 De fato, Rhodiola fornece estabilização emocional e estímulo mental.


O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE BURNOUT

O Burnout  é marcado por sentimentos de estresse no local de trabalho, frustração e insatisfação no trabalho.

Um novo estudo mostra que um extrato da erva Rhodiola rosea, usado por muito tempo para aliviar o estresse, reduz com segurança e eficácia os sintomas de burnout.

Pessoas com burnout que tomaram 200 mg de extrato de Rhodiola duas vezes ao dia sentiram-se menos tensas e cansadas e tiveram um desempenho melhor nos testes de função executiva.

O extrato de Rhodiola é aprovado para alívio do estresse pelo Comitê Europeu de Medicamentos à Base de Plantas e é uma intervenção terapêutica ideal para o esgotamento relacionado ao estresse.


LIFE EXTENSION MAGAZINE OCT 2019

REFERENCIAS


  1. World Health Organization (WHO). International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD) 11. QD85 Burn-out. Geneva: WHO; 2019.
  2. Available at: https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/adult-health/in-depth/burnout/art-20046642. Accessed July 23, 2019.
  3. Gomez-Urquiza JL, De la Fuente-Solana EI, Albendin-Garcia L, et al. Prevalence of Burnout Syndrome in Emergency Nurses: A Meta-Analysis. Crit Care Nurse.2017 Oct;37(5):e1-e9.
  4. Rotenstein LS, Torre M, Ramos MA, et al. Prevalence of Burnout Among Physicians: A Systematic Review. JAMA. 2018 Sep 18;320(11):1131-50.
  5. Kasper S, Dienel A. Multicenter, open-label, exploratory clinical trial with Rhodiola rosea extract in patients suffering from burnout symptoms. Neuropsychiatr Dis Treat. 2017;13:889-98.
  6. Heinemann LV, Heinemann TH. Burnout Research: Emergence and Scientific Investigation of a Contested Diagnosis. SAGE Open.2017 January-March:1-12.
  7. Kelly GS. Rhodiola rosea: a possible plant adaptogen. Altern Med Rev. 2001 Jun;6(3):293-302.
  8. Selye H. The general adaptation syndrome and the diseases of adaptation. J Clin Endocrinol Metab. 1946 Feb;6:117-230.
  9. Anghelescu IG, Edwards D, Seifritz E, et al. Stress management and the role of Rhodiola rosea: a review. Int J Psychiatry Clin Pract.2018 Nov;22(4):242-52.
  10. Panossian A, Wagner H. Stimulating effect of adaptogens: an overview with particular reference to their efficacy following single dose administration. Phytother Res. 2005 Oct;19(10):819-38.
  11. Brekhman, II, Dardymov IV. New substances of plant origin which increase nonspecific resistance. Annu Rev Pharmacol. 1969;9:419-30.
  12. Panossian A, Wikman G, Sarris J. Rosenroot (Rhodiola rosea): traditional use, chemical composition, pharmacology and clinical efficacy. Phytomedicine. 2010 Jun;17(7):481-93.
  13. Li Y, Pham V, Bui M, et al. Rhodiola rosea L.: an herb with anti-stress, anti-aging, and immunostimulating properties for cancer chemoprevention. Curr Pharmacol Rep. 2017 Dec;3(6):384-95.
  14. Ross SM. Rhodiola rosea (SHR-5), Part I: a proprietary root extract of Rhodiola rosea is found to be effective in the treatment of stress-related fatigue. Holist Nurs Pract. 2014 Mar-Apr;28(2):149-54.
  15. Spasov AA, Wikman GK, Mandrikov VB, et al. A double-blind, placebo-controlled pilot study of the stimulating and adaptogenic effect of Rhodiola rosea SHR-5 extract on the fatigue of students caused by stress during an examination period with a repeated low-dose regimen. Phytomedicine. 2000 Apr;7(2):85-9.
  16. Stulhofer A, Traeen B, Carvalheira A. Job-related strain and sexual health difficulties among heterosexual men from three European countries: the role of culture and emotional support. J Sex Med. 2013 Mar;10(3):747-56.
  17. Gajewski PD, Boden S, Freude G, et al. Executive control, ERP and pro-inflammatory activity in emotionally exhausted middle-aged employees. Comparison between subclinical burnout and mild to moderate depression. Psychoneuroendocrinology. 2017 Dec;86:176-86.
  18. Edwards D, Heufelder A, Zimmermann A. Therapeutic effects and safety of Rhodiola rosea extract WS(R) 1375 in subjects with life-stress symptoms--results of an open-label study. Phytother Res. 2012 Aug;26(8):1220-5.
  19. Olsson EM, von Scheele B, Panossian AG. A randomised, double-blind, placebo-controlled, parallel-group study of the standardised extract shr-5 of the roots of Rhodiola rosea in the treatment of subjects with stress-related fatigue. Planta Med. 2009 Feb;75(2):105-12.

Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.