Notícias

Cuidado com Overtraining!

  


Com a atual idealização de um corpo modelado em músculos, muitos acabam exagerando na dose de exercícios para obter "o corpo" em resultado imediato, mas o problema é que o excesso de exercício físico além de ser prejudicial a saúde, pode proporcionar resultados totalmente diferentes do desejado.


 

Esse exagero no exercício desestabiliza o corpo provocando diversos sintomas perceptíveis, quando se trata em um estágio extremamente prejudicial. E existe um nome para essa síndrome: 'overtraining'.

Inicialmente ela só foi diagnosticada em atletas e hoje pode ser encontrada em qualquer pessoa, de qualquer idade e sexo.O overtraining pode ser definido como sendo a condição na qual as pessoas apresentam baixo nível de desempenho, apesar do treinamento continuado ou até mesmo aumentado (Maughan, Gleeson e Greenhaff, 2000).




 

Dentre os principais sintomas são aceleração cardiovascular, aumento da pressão arterial, insônia e a queda do sistema imunológico.E podemos também destacar como conseqüência vários tipos de lesões musculares. Devido ao seu caráter silencioso e a gravidade quer podem representar quando se manifestam clinicamente, são considerados o "câncer" da prática esportiva. (Matsudo, 2002).


O importante é saber que não existe um resultando imediato, o ideal é ter ritmo progressivo de exercícios e aumentado-o lentamente e de acordo com os limites de seu corpo.

 


          Recomendações para evitar o overtraining:

  • Exercitar-se 5 vezes por semana (no máximo), mais ou menos 1 hora por dia;
  • Respeitar os limites e o tempo de recuperação de seu corpo.;
  • Variação de exercícios (aeróbico e anaeróbio) ;
  • Manter uma dieta balanceada;


Referência: https://listas.cev.org.br/cevleis/2004-July/006769.html

Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.