Notícias

MIRTILO E BERRYS - FRUTOS MILAGROSOS!

O mirtilo ou arando é um fruto organoléptico com excelentes aspectos nutricionais e funcionais, visto que apresenta níveis elevados de polifenóis comparativamente com a maioria dos frutos e vegetais comercializados. O mirtilo pode ser encontrado e consumido fresco ou noutras formas processadas, como sumos, iogurtes, geleias, compotas, entre outros (Yang et al., 2010; Del Rio et al., 2010).

O mirtilo é um fruto silvestre do género Vaccinium e da família Ericaceae (Fernald, 1950) que tem sido alvo de muita atenção devido ao papel positivo na saúde humana e na prevenção de certas patologias. Esses efeitos protectores têm sido genericamente atribuídos à ampla gama de polifenóis presentes no fruto, que são responsáveis pela elevada capacidade de eliminação de radicais livres. Ao mirtilo são atribuídas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias (Karlsen et al., 2007; Brownmiller et al., 2008).

Têm sido descritas diversas propriedades benéficas associadas aos mirtilos, nomeadamente no tratamento e prevenção de desordens do trato urinário, de patologias cardiovasculares, da cárie dentária, de úlceras gástricas e do cancro (Burger et al., 2000; Stothers, 2002; Arts & Hollman, 2005; Bodet et al., 2008). São também descritas propriedades anti-proliferativas, anti-cancerígenas, antibacterianas e antivirais (Nijveldt et al., 2001; Ferguson et al., 2004; Weiss et al., 2005).


O Mirtilo e suas Propriedades Terapêuticas 


1. Os Frutos Silvestres

Frutos silvestres como o mirtilo (Vaccinium), amora silvestre (Rubus sp.), groselha preta (Ribes nigrum) e vermelha (Ribes uva-crispa), uva (Vitis vinífera), framboesa vermelha (Rubus idaeus) e preta (Rubus occidentalis), morango (Fragaria Ananassa), romã (Punica granatum) e mangostão (Garcinia mangostana) são uma fonte particularmente rica em antioxidantes (Seeram et al., 2006; Seeram, 2008a; Szajdek & Borowska, 2008). Estes são conhecidos como antioxidantes naturais e devido à sua elevada concentração e diversidade qualitativa nos frutos vermelhos, são cada vez mais referidos como alimentos funcionais naturais (Szajdek & Borowska, 2008).


2. O Mirtilo

O mirtilo é um fruto silvestre disponível num grande número de variedades, descendentes de espécies e subespécies da família da Ericaceae e do género Vaccinium (Fernald, 1950).

Na figura 1 está esquematizada a classificação científica da família da Ericaceae. Todas as espécies indicadas são arbustos que dão origem ao fruto mirtilo, estando estas descritas na tabela 1. As diferentes espécies distinguem-se essencialmente com base nas características do arbusto e só em alguns casos através dos atributos da baga.


Componentes bioativos presentes nos mirtilos

O mirtilo e seus produtos são conhecidos pela sua elevada concentração de polifenóis totais (Vinson et al., 2008). Mais especificamente, estes são ricos em flavonóides, como as antocianinas, os flavonóis e os flavan-3-óis ou catequinas; taninos condensados (proantocianidinas, PAC) e hidrolisáveis (elagitaninos e galotaninos); e ácidos fenólicos (hidroxibenzóico e hidroxicinâmico e seus derivados) (Neto, 2007; Ruel & Couillard, 2007).

Antocianinas

As antocianinas são geralmente encontradas em frutos de baga vermelha, roxa ou azul. As suas concentrações nos alimentos tendem a aumentar à medida que o fruto amadurece e em resposta a alguns factores climáticos. As antocianinas consistem numa molécula de antocianidina ligada a uma ou mais unidades de açúcar. A glicosilação de antocianidinas ocorre preferencialmente na posição C3. As principais antocianinas presentes nos mirtilos são galactosídeos e arabinoses de cianidina e peonidina (Robards & Antolovich, 1997; Nijveldt et al., 2001).

Flavonóis

Os flavonóis são encontrados em abundância em frutos derivados da família Ericaceae, tais como o mirtilo, existindo maioritariamente na pele destes frutos (Robards & Antolovich, 1997).

Os principais tipos de flavonóis são a isoramnetina, quenferol, miricetina e quercetina. Todos eles são caracterizados por serem isentos de qualquer substituição na posição C3 e, para além disso, são famosos pela sua estrutura planar devida à dupla ligação presente no anel aromático central. Os flavonóis são frequentemente encontrados na natureza como derivados acilados, envolvendo ligações entre os ácidos alifáticos e aromáticos e hidróxidos de açúcar. Os flavonóis glicosilados predominantes em frutas são os 3-O monoglicosídeos e ocorrem pela seguinte ordem de preferência de açúcares: glucose>galactose> ramnose> ácido glucurônico (Côté et al., 2010). 

Os flavanóis ou catequinas são importantes constituintes dos frutos e a sua presença tem sido relatada no mirtilo. As catequinas partilham a mesma estrutura molecular dos flavonóis, mas não possuem o grupo carbonilo C4 (Côté et al., 2010).

Através de reações catalisadas pela luz, calor e oxigénio, os flavanois tendem a combinar com os ésteres do ácido gálico e elágico para formar compostos como elagitaninos e galotaninos (Robards & Antolovich, 1997).

Taninos

Os taninos são componentes importantes dos frutos silvestres. São constituídos por taninos condensados não hidrolisáveis, as PAC e por taninos hidrolisáveis, como os ésteres do ácido gálico e elágico. No entanto, os taninos condensados são bem mais frequentes nestes frutos do que os taninos hidrolisáveis (Shahidi & Naczk, 2004).

Este componente desempenha um papel essencial na definição das propriedades sensoriais do fruto. Os taninos são responsáveis pelo sabor azedo e pelas alterações de cor nos frutos e nos sumos de fruta. Na fruta rica em antocianinas, como é o caso do mirtilo, os taninos ligam-se a estas formando co-polímeros, estabilizando-as (Shahidi & Naczk, 2004).

Ácidos fenólicos

Os ácidos fenólicos contribuem para as características e para o sabor único das bagas dos mirtilos, das amoras, das framboesas e de outros frutos de baga vermelha, roxa ou azul (Vattem & Shetty, 2005).

Esta família de componentes inclui derivados do ácido hidroxicinâmico e do ácido hidroxibenzóico, apresentando estruturas moleculares muito similares (Puupponen- Pimiä et al., 2005). No mirtilo foram encontradas grandes quantidades do ácido ferúlico e quantidades significativas de ácido ρ-cumárico, sendo os dois pertencentes à família dos ácidos hidroxicinâmicos (Häkkinen et al., 1999). Os compostos classificados na família do ácido hidroxicinâmico e do ácido hidroxibenzóico diferenciam-se pelo número e posições dos grupos metilo e hidroxilo ligados ao anel de fenol. Estes compostos raramente ocorrem na forma livre, estando normalmente associados a outros tipos de compostos. Quando aparecem como ácidos fenólicos simples, geralmente é consequência da passagem por alguns processos, como a contaminação por microorganismos ou transformação tecnológica (Cotê et al., 2010).


Propriedades antioxidantes do mirtilo

É a capacidade de eliminar espécies reactivas de oxigénio (ROS) que define o mirtilo como um poderoso antioxidante. As principais ROS que são passíveis de ser eliminadas pelas diferentes espécies de mirtilo são o radical hidroxilo, o radical 2,2-difenil-1- picrilhidrazilo (DPPH·), o radical 3-etilbenzotiazoline-6-sulfónico (ABTS), radicais superóxido e outras formas reactivas de oxigénio, como o peróxido de hidrogénio e o singleto de oxigénio (Szajdek & Borowska, 2008). Estima-se que cerca de 2-5% do oxigénio consumido por uma célula é subsequentemente convertido em radicais livres. Pelo simples facto de consumir oxigénio, o metabolismo celular, mesmo em situações basais, promove uma formação contínua de ROS, através da redução do oxigénio molecular com um, dois ou três electrões (Wickens, 2001; Floyd & Hensley, 2002). De todos os organelos presentes nas células, a mitocôndria é a principal fonte de ROS, já que se estima que consome cerca de 90% da totalidade do oxigénio consumido pelo organismo. No entanto, existem outras fontes celulares para a produção de ROS, estando algumas activas em funções fisiológicas basais, enquanto outras são activadas apenas em circunstâncias especiais, tais como durante o exercício físico exaustivo e inabitual. Para além das fontes intrínsecas de ROS também existem fontes extrínsecas como, por exemplo, a radiação ultravioleta, produtos químicos tóxicos, a poluição e alguns fármacos.

A interação das ROS com outras moléculas biológicas é bastante lesiva para a estrutura e funcionalidade celular, sendo responsável por alterações estruturais nas moléculas de ADN, nas proteínas e por destruição das membranas. Consequentemente, estas alterações podem resultar em malefícios no organimo humano, como o envelhecimento e o cancro (Beckman & Ames, 1998).

A produção de ROS é normalmente compensada por sistemas de defesa celular. De facto, a maioria das células responde a estas espécies aumentando os níveis de antioxidantes, como a catalase, a superóxido dismutase e a glutationa (Khan, 2013). No entanto, cerca de 1% das ROS “foge” à eliminação diária, dando origem a danos celulares oxidativos. Este desequilíbrio entre a formação de ROS e a neutralização das mesmas por parte de sistemas de desintoxicação, é denominado de stress oxidativo (Berger, 2005). A extensão do stress oxidativo pode ser determinada experimentalmente através da quantificação de produtos finais de ácidos nucleicos danificados, peroxidação lipídica e de oxidação de proteínas (Junqueira et al., 2004).

Como os sistemas de defesa celular não são completamente eficazes contra as ROS, há um interesse crescente sobre os efeitos benéficos da toma de antioxidantes para a saúde. Resultados de estudos apontam para as correlações entre o teor total de compostos fenólicos dos frutos vermelhos e a sua actividade antioxidante (Wang et al., 1996; Kalt et al., 1999), sendo que esta é determinada pela espécie, variedade, forma de cultivo, região geográfica, condições climatéricas, estado de maturação, altura da colheita, tempo e condições de armazenamento (Skupien & Oszmianski, 2004).

É preciso, no entanto, ter em atenção que as ROS também têm funções importantes no nosso organismo, nomeadamente mediar vários processos de regulação e vias de sinalização, incluindo a proliferação e a activação ou inactivação de biomoléculas reguladoras. Para além disso, as ROS também participam na regulação de alguns genes e na iniciação e execução da apoptose. Deste modo, é importante o consumo racional de antioxidantes para que se possa manter o equilíbrio entre estes e a concentração de ROS no organismo (Khan, 2013).


Propriedades anti-inflamatórias

Para além das propriedades antioxidantes, o mirtilo possuí também propriedades anti- inflamatórias. A inflamação é uma série complexa de reacções executadas pelo organismo para prevenir danos nos tecidos e activar processos de reparação e de mecanismos de defesa contra doenças infecciosas. No entanto, se a inflamação for prolongada pode contribuir para a patogénese de doenças crónicas como a diabetes, doenças neurodegenerativas, cancro e doenças cardiovasculares (Wyss-Coray & Mucke, 2002; Blomhoff, 2005). Desta forma, a diminuição da inflamação pode retardar o desenvolvimento de tais doenças. Há estudos que mostram que a terapia com antioxidantes previne a lesão do tecido vivo durante a inflamação (Cuzzocrea et al., 2001; Cuzzocrea et al., 2004).

Alguns dos mediadores químicos presentes na inflamação são as citocinas, incluindo as interleucinas (IL) e o factor de necrose tumoral (TNF); as quimiocinas, como a RANTES, que é uma quimiocina expressa e segregada por linfócitos T, regulada na activação, e a MCP-1 (proteína quimiotáctica de monócitos); leucotrienos e as prostaglandinas (Wyss-Coray & Mucke, 2002).

No caso destas últimas, a enzima chave na sua biossíntese é a ciclooxigenase (COX). Esta enzima metaboliza o ácido araquidónico, dando origem aos prostanóides (prostaglandinas, prostaciclina e tromboxanos), conduzindo a várias funções fisiológicas, como o processo inflamatório e a activação e agregação das plaquetas. A isoenzima COX-1 está expressa constitutivamente em todas as células, enquanto que a expressão da COX-2 pode ser induzida em resposta a estímulos inflamatórios (Tzeng et al., 1991). 

Vários componentes presentes no mirtilo têm capacidade para inibir a COX, possuindo desta forma propriedades anti-inflamatórias (Seeram et al., 2001). Existem vários estudos, tanto in vitro como in vivo, que indicam que o ácido ursólico e a quercetina têm capacidade para inibir a COX (Safayhi et al., 1997; Ringbom et al., 1998; Subbaramaiah et al., 2000; Baricevic et al., 2001). Num outro estudo observou-se que a cianidina pura era um inibidor eficaz da COX-2, reduzindo a actividade desta em cerca de 47%, tendo também uma actividade superior relativamente a outros tipos de antocianinas (Seeram et al., 2003).

O fator de transcrição nuclear, NF-κB, é um complexo proteico que controla a expressão de genes envolvidos na expressão inflamatória e é activado pelo stress oxidativo e por outros estímulos de compostos pró-inflamatórios (Barnes & Karin, 1997). Os elevados níveis de citocinas pró-inflamatórias e de proteínas de fase aguda têm sido associados ao aumento do risco de doença e ao mau prognóstico de doenças inflamatórias crónicas. Assim, a inibição da activação do NF-κB limita a resposta inflamatória, sendo possivelmente uma estratégia para a prevenção de doenças inflamatórias crónicas (Boos & Lip, 2006).

Realizaram-se vários estudos em modelos celulares e animais com o objectivo de modular a resposta inflamatória utilizando antocianinas, componente presente no mirtilo, nos quais se observou inibição da secreção de citocinas pró-inflamatórias, tais como IL-8, MCP-1, IL-1β, IL-6 e TNF-α (Youdim et al., 2002; Wang & Mazza, 2002; Tsuda et al., 2002; Herath et al., 2003; Atalay et al., 2003). Também Karlsen e seus colaboradores (2007) demonstraram que a ingestão de antocianinas presentes na espécie V. myrtillus estava associada a efeitos anti-inflamatórios, pois observaram reduções consideráveis das concentrações plasmáticas de IL-8, RANTES, IFN-α e um decréscimo menos acentuado das citocinas Th2, IL-4 e IL-13. Portanto, verificaram reduções plasmáticas de quimiocinas pró-inflamatórias e de citocinas imunomoduladoras, dando origem a uma redução da activação do NF-κB. Num outro estudo, demonstraram também que o consumo diário de sumo da V. myrtillus diminuiu os níveis circulatórios de IL-6 e IL-15 e aumentou os níveis de TNF-α (Karlsen et al., 2010). Estes estudos revelaram ainda que uma dieta rica em V. myrtillus tende a diminuir as concentrações plasmáticas de lipopolissacarídeos (LPS) (Karlsen et al., 2007; Karlsen et al., 2010). Este efeito pode eventualmente ter relevância clínica, pois existem estudos que indicam os LPS como sendo uma causa da inflamação, bem como, de ganho de peso, hiperglicemia e resistência à insulina (Cani et al., 2007; Musso et al., 2011). Para além destes, verificou-se em dois outros estudos que tanto o ácido ursólico como a quercetina, componentes presentes no mirtilo, inibem a activação do TNF-α dependente do NF-κB (Shishodia et al., 2003; Kim et al., 2005).

Um mecanismo possível para a inibição da activação do NF-κB diz respeito à capacidade das antocianinas, mais especificamente dos seus respectivos produtos de degradação ou dos seus metabolitos, servirem como tampões redox capazes de suprimir o stress oxidativo, diminuindo assim a resposta inflamatória. De qualquer das formas, serão necessários estudos futuros para comprovar esta hipótese, mas esta pode representar uma estratégia de prevenção ou tratamento de doenças inflamatórias crónicas (Karlsen et al., 2007).

Apesar dos vários estudos que mostram as propriedades anti-inflamatórias de algumas espécies de mirtilos, existem outros nos quais não se verificaram efeitos significativos dos extractos de V. corymbosum sobre os níveis plasmáticos de alguns biomarcadores inflamatórios, como por exemplo, a IL-6, TNF- α e MCP-1 (Curtis et al., 2009; Basu et al., 2010; Stull et al., 2010).


Propriedades preventivas e terapêuticas

A diversidade dos compostos bioativos que se podem encontrar no mirtilo reflecte-se no amplo espectro das suas propriedades preventivas e terapêuticas (Szajdek & Borowska, 2008).

Tem sido estudada a utilização do mirtilo e seus suplementos na prevenção e tratamento de certas patologias que serão expostas de seguida.

Efeitos anticancerígenos

A evidência actual disponível a partir de experiências em culturas celulares sugere que muitos dos efeitos biológicos dos compostos presentes no mirtilo estão relacionados com a sua capacidade para modular as vias de sinalização celulares. As células são capazes de responder a uma variedade de diferentes sinais, aumentando ou diminuindo a disponibilidade de proteínas específicas. As cadeias complexas de eventos que levam a alterações na expressão de genes específicos são conhecidas como vias de sinalização celulares ou vias de transdução de sinal. Estas vias regulam numerosos processos celulares, incluindo crescimento, proliferação e morte (apoptose). A eficaz transdução de sinal requer enzimas, conhecidas como cinases, que catalisam a fosforilação de proteínas-alvo em locais específicos. As cascatas envolvem fosforilações ou desfosforilações específicas de proteínas de transdução de sinal, que podem afectar a actividade de factores de transcrição – proteínas que se ligam a elementos específicos de resposta no ADN, que irão promover ou inibir a transcrição de vários genes (Côté et al., 2010). As ROS podem danificar o ADN e a divisão celular, originando mutações. Estas alterações, se aparecerem em genes críticos, como oncogenes ou genes supressores de tumor, o início ou a progressão de um tumor pode acontecer (Loft & Poulsen, 1996; Pryor, 1997). Acredita-se que os compostos fenólicos podem interferir em vários processos que conduzem ao desenvolvimento de tumores malignos, incluindo a inactivação de compostos cancerígenos e a inibição da expressão do gene mutante. Muitos estudos também têm demonstrado que os compostos fenólicos podem activar os sistemas enzimáticos de desintoxicação (fase II) e prevenir o dano oxidativo no ADN (Mitscher et al., 1996; Halliwell, 1999; Vattem & Shetty, 2005). A apoptose é outro mecanismo importante através do qual os compostos fenólicos podem suprimir o cancro (Ramos et al., 2005). Numerosos estudos com culturas de células demonstraram que os compostos fenólicos, através do seu efeito sobre as vias de sinalização celular e por inibição selectiva das cinases, podem alterar o factor de sinalização por inibição do receptor de fosforilação ou por bloqueio dos receptores de ligação a factores de crescimento (Côté et al., 2010).

As propriedades antioxidantes dos compostos fenólicos da cranberry podem contribuir para as actividades anti tumorais observadas nos seus extractos, sendo que a actividade anticancerígena do fruto pode envolver uma variedade de mecanismos (Neto, 2007). A inibição de tumores por parte da cranberry é susceptível de derivar das actividades sinérgicas dos fitoquímicos presentes na mesma, incluindo os flavonóis (a quercetina principalmente), as PAC, o ácido ursólico e as antocianinas, uma vez que todos estes são capazes de inibir a proliferação individualmente (Neto, 2007; Neto et al., 2008).

Os possíveis mecanismos de acção são a indução da apoptose em células cancerosas, a redução da invasão e metástases devido à inibição das metaloproteinases da matriz (MMP), a diminuição da expressão e actividade da ornitina descarboxilase (ODC) e a inibição de processos inflamatórios, incluindo a actividade da COX (Neto, 2007; Neto et al., 2008).

Indução da apoptose

Surgiram indícios de que a apoptose pode desempenhar um papel chave na capacidade da cranberry para limitar o crescimento de células tumorais. A indução da apoptose tem-se observado em células tumorais no cancro da mama e do cólon e é dependente da dose. Num estudo verificou-se que uma fracção anti-proliferativa da V. macrocarpon induziu a apoptose nas células do tumor da mama MDA-MB-435 (Ferguson et al., 2004). Num outro estudo foi utilizado um extracto de cranberry para aumentar a apoptose em células da linhagem celular tumoral da mama (MCF-7) em cerca de 25% (Sun et al., 2006). Na mesma linha, Griffin e seus colaboradores, compararam os efeitos de um extracto de polifenóis presente na cranberry sobre as taxas de apoptose em linhagens celulares da mama tumorais (MCF-7) e não tumorais (MCF-10A). Observaram um aumento da taxa de apoptose em 92% nas células MCF-7, contrariamente ao que ocorreu nas células MCF-10-A, nas quais não observaram quaisquer alterações na taxa de apoptose.

Redução da invasão e metástases devido à inibição das metaloproteinases da matriz

Os fitoquímicos presentes na cranberry podem também agir contra o cancro limitando os processos envolvidos na invasão tumoral e metástases, particularmente na expressão das MMP envolvidas na remodelação da matriz extracelular (Pupa et al., 2002). Tanto o extracto polifenólico da V. macrocarpon como o extracto que contém apenas a fracção das PAC inibiram a expressão das MMP, nomeadamente das MMP-2 e MMP-9, nas linhas celulares DU145 do tumor da próstata, de um modo dependente da dose. O extracto bruto foi mais eficaz, o que sugere que outros flavonóides presentes no fruto também contribuem para a actividade, juntamente com os oligómeros (Neto et al., 2006). Actividade similar foi observada com um extracto rico em flavonóides da espécie V. angustifolium, no qual grande parte dessa actividade foi atribuída às PAC (Matchett et al., 2006).

Diminuição da expressão e atividade da Ornitina Descarboxilase

A biossíntese e o metabolismo das poliaminas espermina e espermidina, envolvidas na proliferação celular, são controlados por enzimas, tais como a ODC e a espermidina/espermina N1-acetiltransferase. A sobre-expressão destas enzimas é observada em modelos de cancro, indicando que podem desempenhar um papel regulador na transformação, invasão e angiogénese (Neto, 2007; Neto et al., 2008). A angiogénese é o termo usado para descrever a formação de novos vasos, sendo indesejável em situações como a formação das veias varicosas e a formação de tumores. Este é um evento chave que alimenta o crescimento de tumores e metástases do cancro (Bagchi et al., 2004). Extractos de V. macrocarpon contendo PAC e outros flavonóides inibiram claramente a actividade da ODC em células epiteliais de rato (ME-308) (Kandil et al., 2002). Num outro estudo observou-se que os extractos de cranberry inibiram a expressão de ODC induzida por LPS, em modelos animais. Também se verificou que, quanto maior a dose utilizada, mais eficaz era a abolição da expressão de ODC (Matchett et al., 2005).

Inibição de processos inflamatórios

Existem estudos que documentam que os medicamentos anti-inflamatórios não esteróides possuem um efeito quimiopreventivo contra o cancro do cólon, em modelos celulares e animais, uma vez que em alguns tumores se verifica a sobre-expressão das COX (Sheng et al., 1997; Fournier et al., 2000).

Como referido anteriormente, existe uma grande variedade de actividades anti- inflamatórias exercidas por parte dos componentes presentes no mirtilo. Como os processos inflamatórios estão envolvidos no aparecimento/desenvolvimento do cancro, ao actuar sobre os primeiros, consequentemente existe o efeito sobre os processos neoplásicos (Bottone et al., 2004).

O ́Leary e colegas (2004) verificaram no seu estudo que a quercetina, componente presente no mirtilo, reduz a expressão de RNA mensageiro da COX-2 em células Caco- 2 do cancro do cólon.


Efeitos cardioprotetores

As doenças cardiovasculares (DCV), especialmente o acidente vascular cerebral e a doença coronária, são as principais causas de morte no mundo (WHO, 2011). Alguns fatores genéticos e ambientais desempenham um papel importante na iniciação e progressão das DCV. Os bons hábitos alimentares e um estilo de vida saudável são as modificações recomendadas para diminuir o risco de DCV, mas também para reduzir as complicações associadas com estados metabólicos anormais. Basicamente deve-se efetuar uma dieta rica em frutos e vegetais e praticar exercício físico regularmente (Peredes-López et al., 2010).

Um dos principais fatores de risco para a DCV é efectuar uma dieta rica em gorduras saturadas devido aos seus efeitos sobre a aterosclerose, disfunção endotelial e hipertensão (Vogel, 1997; Hu & Willett, 2002). A disfunção endotelial é caracterizada por uma série de alterações fisiológicas, incluindo a diminuição da biodisponibilidade de derivados vasodilatadores no endotélio, principalmente óxido nítrico (NO), e o aumento dos níveis plasmáticos de derivados de factores de contracção no endotélio (Bonetti et al., 2003). Estas alterações podem dar origem a uma disfunção da síntese de NO ao nível do endotélio, as quais são associadas ao desenvolvimento de aterosclerose em animais (Naruse et al., 1994; Kuhlencordt et al., 2001). As alterações endoteliais referidas anteriormente estão também associadas ao desenvolvimento de hipertensão (Celermajer et al., 1996; Kim et al., 2010).

Investigações médicas e epidemiológicas sugerem que alimentos ricos em flavonóides exercem benefícios para a saúde cardiovascular (Hertog et al., 1995; Knekt et al., 2002; Arts & Hollman, 2005). Existem muitos estudos que documentam efeitos benéficos do mirtilo ao nível do poder antioxidante, anti-inflamatório, anti-hipertensivo, antidiabético, anti-obesidade, anti-hiperlipidemia, suportando assim a ideia de que o consumo de mirtilo pode ser cardioprotector (Ruel et al., 2006; Erlund et al., 2008; Persson et al., 2009; DeFuria et al., 2009). Com base nesses estudos, pode-se afirmar que o consumo de mirtilo pode alterar favoravelmente os componentes individuais da síndrome metabólica, sendo este um problema de saúde pública (Alberti et al., 2009). A síndrome metabólica tem sido caracterizada pela adiposidade abdominal, hiperlipidemia, hipertensão arterial, intolerância à glucose, stress oxidativo elevado, inflamação e aumento do risco de diabetes do tipo 2 e aterosclerose (Haffner, 2006; Holvoet et al., 2008; Alberti et al., 2009).

Ação anti-hipertensora

A hipertensão é definida como uma pressão sanguínea de 140/90 mmHg ou superior, sendo um importante factor de risco para o enfarte do miocárdio e para o acidente vascular cerebral e também a principal causa da insuficiência renal crónica. De uma forma geral, quanto mais elevada for a pressão sanguínea, maior é o risco (Heart & Stroke Foundation of Canada, 2003). Estratégias para controlar a hipertensão são consideradas chave no controle da mortalidade por DCV e na redução da carga de fármacos anti-hipertensores, pois uma redução da pressão arterial de apenas 3 mmHg pode reduzir o risco de morte entre 5 e 8% (Padwal et al., 2005). Além da intervenção farmacológica, a modificação do estilo de vida (alteração na dieta, por exemplo) é considerada fundamental para prevenir e tratar a hipertensão arterial (Padwal et al., 2005).

Existem estudos, que serão apresentados de seguida, realizados em modelos animais, em células endoteliais humanas e mesmo em humanos que documentam efeitos benéficos de algumas espécies de mirtilo sobre a hipertensão.

Persson e colegas (2009) investigaram o efeito do V. myrtillus e dos seus polifenóis sobre a actividade da enzima conversora da angiotensina em células endoteliais humanas. O sistema renina-angiotensina é um dos mecanismos mais importantes do corpo sobre a regulação da pressão arterial e equilíbrio electrolítico, mantendo o volume de fluido extracelular e a pressão arterial, apesar da ingestão de grandes variações de electrólito. A enzima conversora da angiotensina, uma carboxipeptidase, converte rapidamente a angiotensina I (fisiologicamente inactiva) em angiotensina II, tendo esta a capacidade de aumentar a pressão arterial sistémica e a pressão de perfusão renal. No estudo referido, o extracto de V. myrtillus teve um efeito inibitório sobre a actividade da enzima conversora da angiotensina, podendo esta ser uma explicação para os efeitos anti-hipertensores do mirtilo (Persson et al., 2009). Outros mecanismos que podem explicar a melhoria da hipertensão com o consumo de mirtilo, poderão ser o aumento significativo da síntese dos níveis de NO endotelial, a diminuição da vasoconstrição via NO ou a diminuição do stress oxidativo renal (Shaughnessy et al., 2009; Kalea et al., 2009).

Em estudos realizados em ratos espontaneamente hipertensos, nos quais se utilizaram extractos de V. angustifolium ou blueberry foi observada uma redução da pressão arterial (Shaughnessy et al., 2009; Elks et al., 2011). Da mesma forma, em ratos normotensos verificou-se igualmente uma redução significativa da pressão arterial (Rodriguez-Mateos et al., 2012). Basu e colaboradores (2010) observaram que o consumo de blueberry é capaz de reduzir a pressão arterial sistólica e diastólica em cerca de 6% e 4%, respectivamente, em indivíduos com síndrome metabólica. Em humanos saudáveis e também em pacientes possuindo factores de risco cardiovascular observou-se a redução da pressão arterial sistólica e diastólica após suplementação com mirtilo (Ruel et al., 2008; Erlund et al., 2008).

Propriedades antidislipidêmicas

Outro factor de risco associado à DCV é a dislipidemia, ou seja, a presença de níveis elevados ou anormais de lípidos e/ou lipoproteínas na corrente sanguínea. A hipercolesterolemia e a hipertrigliceridemia são dois importantes factores na patogénese das DCV de natureza aterosclerótica. A hipercolesterolemia é definida como níveis elevados de colesterol total, de LDL (lipoproteínas de baixa densidade), VLDL (lipoproteínas de muito baixa densidade), IDL (lipoproteínas de densidade intermédia) e níveis baixos de HDL (lipoproteínas de alta densidade) (Kim et al., 2010).

Um regime alimentar com elevado teor de gordura (principalmente gorduras saturadas e monoinsaturadas) leva a uma redução significativa do relaxamento dependente do endotélio, aumento dos níveis plasmáticos de triglicerídeos, do colesterol total e do colesterol LDL e uma diminuição do colesterol HDL (Kim et al., 2010).

Os componentes polifenólicos provenientes do mirtilo podem influenciar o perfil lipídico em casos de pacientes com síndrome metabólica, tendo como efeito o aumento da concentração das HDL plasmáticas, suportando a ideia de que o consumo de alimentos ricos em flavonóides pode ser cardioprotector (Cravotto et al., 2010). Nesta linha, Ruel e colegas (2006) estudaram o consumo diário de doses de um cocktail de sumo de V. macrocarpon no perfil lipídico de homens com obesidade abdominal, verificando que houve um aumento significativo da concentração das HDL plasmáticas, sem variação dos níveis das LDL e das VLDL. Já num estudo sobre o efeito da suplementação com V. corymbosum em homens e mulheres obesos com síndrome metabólica, concluiu-se que os níveis plasmáticos de LDL diminuíam comparativamente com os grupos controlo (Basu et al., 2010). Em modelos animais (porcos) foram obtidos os mesmos resultados documentados no estudo anterior (Kalt et al., 2008).

Os benefícios das propriedades presentes no mirtilo sobre a hipercolesterolemia podem ser explicados recorrendo a vários mecanismos fisiológicos, embora a maioria deles necessitem de ser confirmados. Uma das teorias para o aumento das HDL é precisamente a diminuição dos triglicerídeos, já que estes estão metabólica e inversamente relacionados. Contudo, uma análise estatística multivariada mostra que a variação dos triglicerídeos no plasma representa apenas 16% da variação dos níveis de HDL no plasma (Austin, 1991). Outra forte associação encontrada foi a elevação da concentração de HDL juntamente com a de apolipoproteína A-I, já que esta explica cerca de metade da variação da concentração de HDL. Além destas associações, também se notou ao nível do plasma a diminuição de NO e de stress oxidativo, apesar de menos significativas (Ruel et al., 2006). Estes efeitos do mirtilo parecem ter muitos benefícios na doença cardíaca, principalmente ao nível da doença arterial coronária, pois há uma diminuição de fenómenos ateroscleróticos em consequência da diminuição da hipercolesterolemia e dos triglicerídeos (Nijveldt et al., 2001). De facto, Hertog e os colegas (1995) verificaram que a ingestão de flavonóides diminui a longo prazo o risco de morte por doença arterial coronária em homens idosos.

No entanto, existem outros estudos realizados em humanos e em ratos, nos quais os resultados obtidos não foram muito favoráveis, pois verificaram que a suplementação de ratos com blueberry, não alterou os perfis lipídicos dos mesmos (Wu et al., 2010; Prior et al.,2010; Rodriguez-Mateos et al., 2012). Nesta mesma linha, Duthie e seus colegas (2006), estudaram o efeito do sumo de cranberry rico em antocianinas na actividade antioxidante no plasma e na actividade de biomarcadores envolvidos no stress oxidativo em mulheres saudáveis. Estes investigadores verificaram que os níveis de colesterol total, HDL, LDL e triglicerídeos não sofreram alterações significativas com a toma do sumo.

Ação anti-agregante plaquetária

A agregação plaquetária contribui tanto para a aterosclerose como para a formação de trombos, podendo por conseguinte originar tromboembolismo arterial. Desta forma, os antagonistas das funções plaquetárias previnem oclusões tromboembólicas agudas da circulação arterial, por inibirem a agregação das plaquetas, na sequência de uma disfunção endotelial (Nijveldt et al., 2001). Neste sentido, existem estudos que documentam que o mirtilo tem capacidade anti-trombótica, como o de Erlund e seus colegas (2008), que verificaram que o consumo de frutos vermelhos em quantidades moderadas inibe significativamente a função plaquetária. Os flavonóides, componentes presentes no mirtilo, são potentes agentes anti-trombóticos, como foi confirmado quer in vitro, quer in vivo, sendo o seu efeito devido à inibição da actividade da COX, e, consequentemente, à inibição da formação do tromboxano A2 (Nijveldt et al., 2001).

Propriedades antidiabéticas

A incidência de diabetes mellitus tipo II, a mais comum, atingiu proporções epidémicas nos países ocidentais e em desenvolvimento e continua a aumentar rapidamente (International Diabetes Federation, 2005). Indivíduos com diabetes tipo II e com deficiente controlo glicémico estão mais associados ao risco de doença microvascular, doença vascular periférica, amputações, enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral e insuficiência cardíaca. A resistência periférica à insulina é uma característica fundamental destes doentes e resulta de uma combinação de sedentarismo, hábitos alimentares pouco saudáveis e predisposição genética (Skyler, 2004). Actualmente, as opções de medicamentos para o tratamento da diabetes são um pouco limitadas, têm muitos efeitos colaterais e muitas vezes são prescritos em associação (Cheng & Fantus, 2005). Devido a este facto, começaram a utilizar-se produtos naturais de forma a complementar ou mesmo substituir os medicamentos existentes. Desde então, iniciaram-se vários estudos clínicos de forma a encontrar plantas que possuam actividade hipoglicemiante (Yeh et al., 2003). Uma pesquisa recente identificou a V. angustifolium como uma das plantas antidiabéticas mais recomendadas e, no Canadá, extractos desta planta estão disponíveis no mercado como produto natural concebido para tratamento complementar da diabetes (Haddad et al., 2003). Martineau e os seus colegas (2006) realizaram um estudo com o objectivo de verificar se a V. angustifolium possuía propriedades antidiabéticas utilizando bioensaios celulares, concluindo que os extractos desta planta possuíam propriedades semelhantes à insulina e à glitazona, bem como actividade citoprotectora. Relativamente ao aumento da atividade da glitazona, este ocorreu através de um mecanismo que envolve a ativação do PPARγ (receptor gama ativado pelo proliferador peroxissomal), no qual se verifica, nos ensaios de adipogênese, agonismo e potencial de sensibilização à insulina. Quanto ao efeito citoprotector presente nos extractos, os mecanismos que estão por detrás não são claros, no entanto, podem ocorrer devido à diminuição da peroxidação lipídica, oxidação proteica e/ou glicação, de acordo com as propriedades antioxidantes que lhes são concedidas (Martineau et al., 2006).

DeFuria e colegas (2009) relataram também efeitos favoráveis do mirtilo sobre a diabetes tipo II em modelos animais. Verificaram que em ratos alimentados com elevadas doses de gordura e suplementados com V. corymbosum houve uma diminuição da resistência à insulina, redução da morte de adipócitos e também de sequelas inflamatórias, comparativamente com os ratos apenas alimentados com uma dieta rica em gordura. Stull e colaboradores (2010) também concluíram que o consumo diário de bioactivos de V. corymbosum numa população de alto risco para desenvolver diabetes tipo II melhorava a sensibilidade à insulina, em comparação com o grupo de controlo. Estes resultados sugerem que a adição do mirtilo aumenta a captação de glucose pelas células através de um mecanismo dependente da insulina. De qualquer modo, mais estudos serão necessários para explicar o mecanismo celular envolvido na melhoria da sensibilidade à insulina.

No entanto, também existem estudos onde não se observaram quaisquer benefícios no consumo de mirtilo relativamente a pacientes com diabetes tipo II (Chambers & Camire, 2003; Basu et al., 2010).


Efeitos sobre as infecções do trato urinário

O sumo de cranberry ou arando vermelho (V. macrocarpon) tem sido consumido para a prevenção das infecções do trato urinário. A sua capacidade para proteger o trato urinário da adesão das bactérias uropatogénicas, como a Escherichia coli (e outros patogéneos), têm levado os médicos a recomendar beber o sumo de cranberry como tratamento de vários tipos de infecções urinárias e prostáticas (Jepson & Craig, 2008).

A infecção do trato urinário (ITU) é frequentemente considerada uma doença menor, no entanto, pode causar grande desconforto (Møller et al., 2000). As ITU têm uma alta incidência em todo o mundo e uma parte substancial do orçamento da saúde pública é gasto no seu tratamento. Em geral, todas as mulheres sofrem de ITU bacteriana pelo menos uma vez em toda a sua vida e as ITU recorrentes ocorrem em cerca de 25% de todas as mulheres idosas (Johnson, 2003). A bactéria E. coli provoca ITU mais simples. A urovirulência é fortemente definida pelas fímbrias bacterianas que medeiam a firme adesão ao tecido hospedeiro. Esta adesão é obtida através da ligação de lectinas, expostas à superfície das fímbrias, aos hidratos de carbono presentes no tecido hospedeiro (Johnson, 2003). Existem fímbrias tipo 1, P e S. As fímbrias P ligam-se a um dissacarídeo específico da galactose presente nas células uroepiteliais (Gaffney et al., 1995).

Portanto, a adesão das fímbrias é um evento chave na ITU, pois apenas após a adesão poderá ocorrer colonização bacteriana no tecido do hospedeiro. Posto isto, a adesão é claramente o alvo promissor para a intervenção terapêutica (Johnson, 2003).

Vários produtos contendo a espécie V. macrocarpon, como sumos ou comprimidos, têm sido estudados clinicamente e têm demostrado resultados positivos relativamente à prevenção de ITU (Howell, 2002; Griffiths, 2003). O material não dialisável de alto peso molecular (NDM) e as PAC presentes na cranberry possuem propriedades de anti- adesão contra fímbrias P da E. coli. A análise química da fracção NDM revelou que contém cerca de 65% de PAC e uma quantidade muito inferior de antocianidinas (0,35%) (Bodet et al., 2006a). As PAC da cranberry são únicas na medida em que as moléculas oligoméricas são do tipo A, enquanto que as PAC oligoméricas presentes nos outros frutos são maioritariamente do tipo B, que é desprovido de actividade anti-adesão (Howell et al., 2005).

Esta capacidade da V. macrocarpon foi testada em estudos in vitro, nos quais se observou a abolição da expressão das fímbrias P da E. coli, aquando da adição ao meio de cultura bacteriana (Ahuja, 1998). Já Di Martino e colaboradores (2006) realizaram um estudo da eficácia do consumo de sumo de V. macrocarpon considerando a presença de actividade de anti-adesão bacteriana in vitro na urina de voluntários saudáveis, observando uma diminuição significativa, dependente da dose, na adesão bacteriana associada ao consumo do sumo contra as diferentes espécies uropatogénicas de E. coli na urina, comparativamente com o placebo.

Também existem estudos clínicos a testar a profilaxia da cranberry sobre as ITU recorrentes. Stothers (2002) comparou a eficácia profiláctica de comprimidos e do sumo de cranberry contra as infecções do trato urinário em mulheres adultas e concluiu que tanto os comprimidos como o sumo levaram a uma diminuição estatisticamente significativa do número de pacientes que experienciaram pelo menos uma ITU sintomática por ano, em comparação com o placebo. Num outro estudo examinaram a capacidade de uma preparação concentrada de V. macrocarpon para evitar ITU em mulheres com antecedentes de infecções recorrentes, sendo que após doze semanas, não observaram ITU em nenhuma paciente, tendo concluído que a preparação, contendo fenólicos de alto peso molecular, pode prevenir totalmente as ITU nas mulheres com infecções recorrentes (Bailey et al., 2007). Da mesma forma, Jepson e colegas (2008) realizaram um estudo com mulheres jovens e de meia-idade que sofriam de ITU recorrentes, concluindo que o sumo de cranberry diminuía o número de mulheres com ITU sintomáticas.

Já Avorn e colegas (1994) avaliaram o efeito da ingestão regular de sumo de cranberry na bacteriúria e piúria em mulheres idosas e verificaram uma redução na incidência de bacteriúria com piúria.

Doentes com defeitos anatómicos ou no funcionamento normal do trato urinário, como bexiga neuropática devida, por exemplo, a lesões na espinal medula, estão predispostos a ITU crónicas, muitas vezes com bactérias multirresistentes, devido ao cateterismo. Desta forma, realizaram um estudo em doentes com a patologia indicada, tendo verificado que a ingestão de sumo de cranberry reduzia significativamente a carga de biofilme bacteriano na bexiga em comparação com os valores basais, reduzindo o risco de infecção (Reid et al., 2001).


Efeitos na saúde oral 

Cárie dentária

V. macrocarpon tem mostrado um efeito inibitório contra bactérias envolvidas na cárie dentária e na doença periodontal (Bodet et al., 2008). A cárie dentária é uma infecção endógena que provoca lesões pela acção de bactérias sobre os glicanos disponíveis, dando origem a polissacarídeos insolúveis bioadesivos, através da enzima glucosiltransferase (GTF). Esta placa formada medeia a acumulação de Streptococcus mutans, permitindo-lhe aderir firmemente à superfície dentária. O S. mutans produz ácidos orgânicos (principalmente ácido láctico) que induz a desmineralização do esmalte, tornando o dente mais susceptível a ser atacado por invasores secundários, que conseguem penetrar os tecidos mais profundos originando a cárie (Gazzani et al., 2012). Os agentes etiológicos mais comuns na cárie dentária são o S. mutans e o Streptococcus sobrinus, e também o Lactobacillus spp e o Actinomyces spp, apesar de menos frequentes (Gazzani et al., 2012).

Nos últimos anos têm-se realizado alguns estudos com certos constituintes do mirtilo que têm demonstrado capacidade para limitar a cárie dentária através, por exemplo, da inibição da produção de ácidos orgânicos pelas bactérias cariogénicas, a formação de biofilmes por S. mutans S. sobrinus e a adesão e congregação de um número considerável de outras espécies de Streptococcus presentes na mucosa oral (Bodet et al., 2008; Bonifait & Grenier, 2010).

Inibição da adesão de S. mutans

Na adesão e formação de biofilmes dentários in vitro observa-se a capacidade de várias espécies de Streptococcus, pré-tratadas em saliva, para aderirem a sedimentos de hidroxiapatite (mineral presente no esmalte). Yamanaka e colaboradores (2004), aquando da adição de sumo de cranberry, verificaram uma diminuição significativa na adesão das bactérias aos sedimentos de hidroxiapatite e que a fracção de NDM presente no sumo inibiu entre 80-95% a formação de biofilme com as espécies de Streptococcus estudadas (S. sobrinus, mutans, criceti, sanguinis, oralis e mitis). Num outro estudo clínico sobre a saúde oral, foi investigada a utilização de um colutório suplementado com a fracção de NDM de cranberry. Após seis semanas de uso diário deste, observou- se uma redução significativa de toda a microflora bucal, nomeadamente de S. mutans (Weiss et al., 2004). Neste mesmo estudo e apoiando os resultados obtidos in vivo, efectuaram-se também estudos in vitro, aplicando uma técnica muito idêntica à explicada anteriormente, nos quais se observou que a fracção de NDM de cranberry inibiu a adesão de S. sobrinus, pré-tratado em saliva, a uma superfície com hidroxiapatite, mas na presença de sacarose (Weiss et al., 2004). Portanto, estes estudos revelam que a fracção de NDM de cranberry tem um efeito inibidor muito significativo na formação de biofilme (Weiss et al., 2004; Yamanaka et al., 2004).

Uma forma de obter uma redução na formação da massa de biofilme é diminuindo a produção de polissacarídeos. Isto pode ser possível devido às excelentes propriedades de anti-adesão presentes nos componentes da cranberry. Mas há outras formas de conseguir uma diminuição da produção de polissacarídeos. Aquando da explicação da cárie dentária foi referido ser necessária a enzima GTF para realizar a síntese de polissacarídeos. Assim sendo, a inactivação da enzima GTF resulta numa diminuição de polissacarídeos e posteriormente numa menor massa de biofilme. Steinberg e os colegas (2004) mostraram que extractos de V. macocarpon também inibem significativamente a actividade desta enzima.

Outra maneira de conseguir a redução da massa de biofilme é através da inibição das proteínas que têm como função efectuar a ligação dos glicanos à superfície dos Streptococcus. Num estudo realizado in vitro, onde se utilizou uma superfície de hidroxiapatite, pré-tratada com glicanos, observou-se bloqueios significativos à adesão de S. mutans aos locais de ligação dos glicanos na presença do sumo de cranberry, reduzindo assim a massa de biofilme (Koo et al., 2006).

Em suma, de uma forma geral, os extractos de NDM presentes na espécie V. macrocarpon reduzem a adesão bacteriana aos biofilmes, a massa de biofilmes e ainda a produção de polissacarídeos pelo S. mutans (Steinberg et al., 2005).

Por último, em relação à cárie dentária, a V. macrocarpon ainda poderá ter a vantagem de inibir a produção de ácidos orgânicos pelo S. mutans, apesar de neste caso em particular ainda serem necessários mais estudos complementares, pois, os estudos indicam que na presença de extractos da espécie V. macrocarpon contendo PAC, o valor de pH é mais elevado comparativamente com a ausência dos mesmos. No entanto, mesmo na presença dos extractos o valor do pH permanece abaixo do valor crítico (aproximadamente 5,5), ocorrendo a desmineralização do esmalte do dente e posterior formação de cavidade de cárie. Apesar de tudo, ocorre uma diminuição da acidogenicidade proveniente da bactéria residente no biofilme, contribuindo de forma positiva para o efeito anti-cárie (Duarte et al., 2006).

Doença periodontal

As doenças periodontais são infecções multifactoriais causadas por um grupo específico de bactérias Gram-negativas anaeróbias que conduzem à destruição dos tecidos de suporte do dente, incluindo o osso alveolar e o ligamento periodontal. Na patogénese da periodontite estão envolvidos dois grandes factores. O primeiro é o factor microbiano, nomeadamente a acumulação de bactérias periodontopatogénicas na placa subgengival, que posteriormente irão danificar o tecido periodontal através das moléculas que produzem, incluindo as enzimas proteolíticas (Eley & Cox, 2003). O segundo factor é a resposta do hospedeiro aos periodontopatogéneos, nomeadamente o excesso de produção de mediadores inflamatórios (citoquinas pró-inflamatórias e prostanóides) e das MMP (Offenbacher et al., 1993; Birkedal-Hansen, 1993; Okada & Murakami, 1998). Os extractos de cranberry têm efeitos benéficos sobre estes dois factores, como referido de seguida.

- Efeitos sobre os periodontopatógenos  

Adesão e formação de biofilme

Duas espécies de bactérias associadas à periodontite crónica, a Porphyromonas gingivalis Fusobacterium nucleatum, foram inibidas de formar biofilme aquando da presença de fracções NDM de cranberry (Haffajee & Socransky, 1994; Labrecque et al., 2006; Yamanaka et al., 2007). Estas também inibem a adesão de P. gingivalis a várias proteínas, incluindo o colagénio tipo I, podendo desta forma reduzir a co- agregação bacteriana que envolve as bactérias periodontopatogénicas (Weiss et al., 2004; Labrecque et al., 2006).

Em suma, as propriedades polifenólicas dos extractos de cranberry podem inibir a formação de biofilme e a adesão das bactérias periodontopatogénicas.

- Enzimas proteolíticas

As fortes actividades proteolíticas do considerado complexo vermelho de bactérias, P. gingivalis, Treponema denticola e Tannerella forsythia, são importantes na destruição do tecido periodontal (Socransky et al., 1998). O estudo da fracção NDM de cranberry sobre as três bactérias evidenciou a inibição das actividades proteolíticas das mesmas. Mais especificamente, os polifenóis agiram sobre a actividade da gingipaína, secretada pela P. gingivalis, sobre a actividade de uma enzima do tipo tripsina, proveniente da T. forsythia, e também sobre uma enzima com uma actividade muito semelhante à quimotripsina, da T. denticola (Bodet et al., 2006b; Yamanaka et al., 2006). A fracção NDM presente no mirtilo exibe propriedades muito promissoras contra as proteinases dos periodontopatogéneos, inibindo-as, resultando numa redução da patogenicidade bacteriana e da destruição dos tecidos de suporte do dente (Grenier et al., 2002; Song et al., 2003; Kadowaki et al., 2004).

- Efeitos sobre a resposta do hospedeiro

- Propriedades anti-inflamatórias

A presença das bactérias periodontopatogénicas desencadeia uma produção elevada e contínua de citoquinas, incluindo as 1β (IL-1β), IL-6, IL-8 e o TNF-α, por parte das células hospedeiras. Esta produção, muitas vezes descontrolada, contribui significativamente para a destruição dos tecidos de suporte dos dentes (Paquette & Williams, 2000). Como descrito no capítulo 5tem sido relatado que a cranberry contém moléculas com propriedades anti-inflamatórias. Os polifenóis presentes na cranberry reduzem a TNF-α induzida pela regulação da produção de vários mediadores inflamatórios através das células endoteliais microvasculares humanas (Youdim et al., 2002). Noutros estudos mais recentes foi descoberto que as fracções de NDM da espécie V. macrocarpon inibem a produção das citoquinas pró-inflamatórias mencionadas anteriormente, mediada pelos macrófagos hospedeiros, que são estimulados a produzi- las pelos LPS de periodontopatogéneos reconhecidos, como por exemplo Aggregatibacter actinomycetemcomitansF. nucleatumP. gingivalisT. denticola T. forsythia (Bodet et al., 2006a; Bodet et al., 2007a). Nos dois estudos acima mencionados concluiu-se que a V. macrocarpon pode limitar as respostas inflamatórias provocadas por periodontopatogéneos provenientes tanto de macrófagos como de fibroblastos gengivais.

- Inibição de enzimas que degradam o tecido hospedeiro

A doença periodontal é caracterizada por possuir uma elevada concentração das MMP, secretadas pelas células do hospedeiro, no fluido das fendas gengivais, o que vai originar uma perda de colagénio gengival, degradação do ligamento periodontal e reabsorção do osso alveolar (Sorsa et al., 2006). As fracções de NDM da espécie V. macrocarpon inibem a secreção das MMP-3 e MMP-9 pelos fibroblastos gengivais e pelos macrófagos, após estimulação dos LPS. Portanto, estas fracções afectam a fosforilação e expressão de várias proteínas intracelulares implicadas na produção das MMP (Bodet et al., 2007b). Estes autores concluíram que com baixas concentrações de NDM da V. macrocarpon consegue-se inibir a expressão de enzimas que estão envolvidas na destruição da matriz extracelular, mais precisamente as MMP-3, MMP-9 e as elastases (Bodet et al., 2007b).


Efeitos antivirais

Na espécie V. macrocarpon, mais precisamente nas fracções de PAC e NDM, foi encontrada capacidade para inibir a infecciosidade de alguns vírus (Influenza e alguns vírus entéricos, como, por exemplo, o norovírus murine, o calicivírus felino, o bacteriófago MS2, o rotavírus e o reovírus) em linhas de células alvo (Lipson et al., 2007a e b; Su et al., 2010a e b).

Recentemente têm-se efetuado alguns estudos sobre os efeitos dos constituintes do sumo de cranberry sobre vírus de origem alimentar, normalmente associados a gastroenterites, como é o caso do norovírus humano. Os sintomas associados a infecções por norovírus são náuseas, vómitos, diarreia, dor abdominal e febre baixa (Widdowson et al., 2004). Existem poucos estudos com o norovírus humano devido à sua incapacidade de propagação em culturas celulares, dificultando assim o desenvolvimento de ensaios para estudar a infecciosidade do mesmo (Duizer et al., 2004). Desta forma, os estudos realizados têm sido feitos com vírus substitutos, como é o caso do calicivírus felino, do norovírus murino, do bacteriófago MS2 e do bacteriófago Φ-X174, já que actuam de forma idêntica e com infecciosidade muito semelhante (Steinmann, 2004; Dawson et al., 2005; Wobus et al., 2006; Charles et al., 2009). Su e colaboradores (2010a) concluíram no seu estudo que o sumo de cranberry possui efeitos antivirais contra os referidos substitutos de vírus entéricos humanos. Ainda neste estudo fizeram uma descoberta muito interessante, já que há uma redução praticamente instantânea na infecciosidade do norovírus murino. Em suma, os resultados indicam que os constituintes presentes no sumo de cranberry parecem ser bastante promissores como alternativa para prevenir ou reduzir as infecções de norovírus.

Lipson e os colegas (2007a) estudaram os efeitos antivirais de vários sumos, incluindo o sumo da espécie V. macrocarpon, em espécies virais diferentes, demonstrando que a actividade antiviral do sumo não é específica. O efeito antiviral sobre o bacteriófago T2 e, em menor grau, sobre o bacteriófago T4, resultou numa perda superior a 90% da infecciosidade do vírus. Verificou-se que este efeito foi rápido e dependente da dose e pareceu estar relacionado com a fase de adsorção do ciclo de replicação do vírus. Neste mesmo estudo, também se abordou a actividade antiviral do sumo de V. macrocarpon sobre o rotavírus símio SA-11, sendo este um agente etiológico da gastroenterite em primatas. O rotavírus tratado com o sumo não conseguiu desenvolver infecção produtiva nas culturas de células hospedeiras de primatas, devido ao facto do sumo inibir a reacção de hemaglutinação (Lipson et al., 2007a). Também foi realizado um estudo comparando a capacidade de um cocktail contendo sumo de V. macrocarpon, de sumo puro de V. macrocarpon, de PAC isoladas e de NDM da mesma espécie para reduzir a infecciosidade do reovírus em cultura de células epiteliais de macaco verde africano. Neste estudo concluiu-se que os sumos reduziram a infecciosidade do reovírus nas culturas de células, apesar de os extractos de PAC e NDM apresentarem maior redução na infecção viral. Esta redução da infecciosidade viral pode ser explicada pelo efeito sobre a superfície da célula hospedeira, havendo possivelmente uma alteração nos locais dos receptores virais (Lipson et al., 2007b).

Weiss e os colegas (2005) realizaram um estudo no qual mostraram que os constituintes do sumo de V. macrocarpon inibem a adesão e infeciosidade do vírus Influenza numa cultura de células. O NDM presente no sumo provavelmente exerce o seu efeito através da prevenção da adsorção viral sobre as células, uma vez que inibe a hemaglutinação viral que é mediada pela hemaglutinina específica do ácido siálico. Para além disso, o seu efeito sobre a infecciosidade do vírus foi mais pronunciado quando o sumo foi adicionado várias vezes após a infecção. Isto indica que também impediu a adsorção da descendência viral liderada pelas células infectadas em novas células (Weiss et al., 2005).

Em suma, são necessários mais estudos para elucidar o(s) mecanismo(s) de inibição da infecciosidade dos vírus por parte dos constituintes de cranberry e também evoluir para estudos in vivo.


Efeitos sobre o trato gastrointestinal

As úlceras gástricas, pépticas e duodenais são patologias fortemente associadas com a presença da bactéria Helicobacter pylori (H. pylori) na mucosa. Esta é uma bactéria gram-negativa e é uma das mais comuns nas doenças infecciosas crônicas no homem. Mais de metade da população está infectada no início da vida (quase sempre antes dos dez anos de idade) e, na ausência de antibioterapia, geralmente persiste por toda a vida (Dunn et al., 1997; Dorell et al., 1998).

H. pylori contém adesinas específicas para as fímbrias S. A expressão destas adesinas pode depender das condições de crescimento dos organismos e a sua detecção é afectada pelas condições do ensaio relativamente ao substrato alvo. A capacidade que a H. pylori tem para expressar várias combinações de adesinas com especificidades distintas determina se ela se vai anexar ao epitélio ou permanecerá no muco (Dorell et al., 1998). Tal como acontece com outros agentes patogênicos, a adesão da H. pylori às células epiteliais tem sido reconhecida como uma etapa essencial do processo infeccioso (Lingwood et al., 1992).

Os constituintes de cranberry têm mostrado ter capacidade de inibir a adesão de diferentes bactérias com especificidades diferentes. Desta forma, existem alguns autores que argumentam que o sumo de cranberry poderá ser um potencial candidato para a terapia de infecções por H. pylori através das suas qualidades anti-adesivas (Burger et al., 2000; Burger et al., 2002). De fato, Zhang e colaboradores (2005) demonstraram que o consumo regular do sumo da V. macrocarpon pode suprimir a infecção por H. pylori em populações endêmicas afetadas.

Estudos recentes in vitro indicam que a presença de NDM de cranberry pode inibir a adesão da estirpe H. pylori às fímbrias S no muco humano, eritrócitos e culturas de células epiteliais gástricas. Esta ação contra a H. pylori é conhecida por ter um potencial inibitório contra o desenvolvimento de úlceras pépticas e lesões no estômago (Burger et al., 2000; Burger et al., 2002). Por outro lado, Shmuely e colaboradores (2007) concluíram no seu estudo que a combinação de antibióticos e de uma preparação de cranberry pode melhorar a erradicação de H. pylori.


Efeitos na patologia ocular

Há umas décadas atrás surgiu a ideia de que o mirtilo poderia ser usado para melhorar a visão noturna, ganhando maior relevo quando aviadores da British Royal Air Force relataram comer geleia da espécie V. myrtillus durante a segunda guerra mundial para melhorar precisamente este tipo de visão (revisto em Muth et al., 2000). Esta ideia seria excelente, já que melhorar a visão noturna é importante para um grande número de pessoas, como motoristas, pilotos, militares, idosos, míopes e ainda para pessoas que sofrem de várias doenças degenerativas oculares (revisto em Canter & Ernst, 2004).

Estudos dos anos 70/80 indicam que ratos tratados com V. myrtillus apresentavam mais rodopsina na retina em comparação com os ratos não tratados e para além disso adaptavam-se mais rapidamente ao escuro (revisto em Canter & Ernst, 2004). Os possíveis mecanismos de ação sobre o aparelho visual seriam a síntese acelerada de rodopsina, a modulação da atividade enzimática da retina e melhoramento da microcirculação (Zadok et al., 1997; revisto em Muth et al., 2000 – O).

Zadok e colegas (1999) avaliaram o efeito de múltiplas doses orais de antocianosídeos presentes na espécie V. myrtillus relativamente a três fatores directamente relacionados com a capacidade em seres humanos de identificar alvos durante a noite: campo total do limiar absoluto da visão escotópica da retina, taxa de adaptação ao escuro de campo total e sensibilidade mesópica ao contraste. No entanto, estes autores não conseguiram provar quaisquer efeitos benéficos destes antocianosídeos nos fatores referidos. Também Muth e colaboradores (2000) investigaram o efeito da espécie V. myrtillus sobre a acuidade visual noturna e sobre a sensibilidade ao contraste noturna, não tendo conseguido demonstrar uma melhoria significativa em nenhum deles.

Estes resultados obtidos mais recentemente contrastam com os dos estudos realizados há 40-50 anos atrás, provavelmente por causa dos diferentes tipos de estudos e populações utilizados.

Relativamente a patologias oculares, existem ensaios não controlados que relatam efeitos benéficos do extracto de V. myrtillus em pacientes que sofrem de degeneração tapeto-retinal, miopia e glaucoma, os quais necessitam de estudos futuros (revisto em Canter & Ernst, 2004). Para além destes benefícios, o extracto de V. myrtillus é consumido na Coreia e no Japão para aliviar a fadiga ocular induzida pelo computador e também para retardar a angiopatia da retina que ocorre aquando da degeneração macular e da retinopatia diabética (Kalt & Dufour, 1997; Trevithick & Mitton, 1999).


Efeitos nas doenças neurológicas

Os declínios do desempenho motor e cognitivo acompanham o envelhecimento normal do corpo humano (Joseph et al., 2005). Estes declínios estão amplificados em doenças neuro-degenerativas relacionadas com a idade, tais como, a esclerose lateral amiotrófica, a doença de Alzheimer ou doença de Parkinson (de Rijk et al., 1997; Ascherio et al., 2005; Maxwell et al., 2005; Dai et al., 2006). De acordo com a teoria dos radicais livres do Dr. Denham Harman, o envelhecimento é o acumulo de danos oxidativos nas células e tecidos ao longo do tempo. Desta forma, tem sido sugerido que os défices comportamentais e neuronais observados na população idosa são o resultado do aumento da vulnerabilidade aos danos provocados pelos radicais livres (Floyd, 1999; Martin et al., 2002). Esta teoria tem fomentado muitas investigações ao nível dos componentes polifenólicos presentes nas frutas e vegetais, já que exibem potentes atividades antioxidantes e anti-inflamatórias. Portanto, uma suplementação rica em frutas e vegetais pode ser benéfica tanto na prevenção como na reversão dos efeitos deletérios do envelhecimento sobre a comunicação neuronal e comportamental (Youdim et al., 2004; Joseph et al., 2005).

O cérebro é particularmente susceptível ao estresse oxidativo, pelas seguintes razões:

- utiliza cerca de 20% do consumo total de oxigénio;

- é rico em ácidos graxos poliinsaturados prontos a sofrerem peroxidação;

- possui níveis muito baixos de enzimas endógenas antioxidantes, como, por exemplo, a catalase, a superóxido dismutase e a glutationa peroxidase;

- possui níveis elevados de ferro e ascorbato, sendo estes os principais catalisadores da peroxidação lipídica;

- excepto algumas regiões restritas do cérebro, as células neuronais são pós-mitóticas e tendem a acumular o dano oxidativo (Beckman & Ames, 1998; Gilissen et al., 1999; Savory et al., 1999).

O envelhecimento normal do cérebro também está associado a níveis elevados de neuroinflamação (Gordon et al., 1997; Rozovsky et al., 1998). Esta está também ligada ao reforço da transdução de sinal que conduz à ativação de genes, os quais vão induzir a síntese de sintase de óxido nítrico, IL-1β, TNF-α e NF-κB (Yoon et al., 2002; Perry et al., 2002; Klein & Ackerman, 2003; Mrak & Griffin, 2005). A inflamação está intimamente ligada ao aumento da produção de ROS (Grimble, 2003; McGeer & McGeer, 2003; Lane, 2003; Emerit et al., 2004). Desta forma, tem sido também associada a inflamação mediada pelo estress oxidativo a perturbações neuro-degenerativas, incluindo as doenças de Parkinson e de Alzheimer (Hensley et al., 1995; Hensley et al., 1998; Esch et al., 2002).

Joseph e colegas (1999) verificaram que em ratos suplementados com blueberry ocorreu uma reversão dos défices relativos à idade, avaliados por vários parâmetros neuronais e comportamentais. Num outro estudo em que utilizaram também ratos como modelo animal, mas sendo estes transgênicos para a doença de Alzheimer, demonstraram que os suplementados com blueberry obtiveram um grande aumento de desempenho relativamente aos ratos de controle (Joseph et al., 2003). Os níveis da proteína cinase regulada por sinais extracelulares (ERK) e da proteína cinase C foram elevados nos ratos suplementados com blueberry, o que leva a justificar o aumento do desempenho destes ratos com alterações nas vias de sinalização (Joseph et al., 2003). Além disso, as duas enzimas referidas são muito importantes na mediação da função cognitiva, especialmente a conversão da memória de curto-prazo para longo-prazo (Micheau & Riedel, 1999; Mazzucchelli et al., 2002). Shukitt-Hale e colaboradores (2003) realizaram um estudo de forma a poder consolidar o mecanismo apresentado anteriormente, no qual correlacionaram os comportamentos dos ratos suplementados com mirtilo e as alterações induzidas em eventos de sinalização. E, de fato, os resultados obtidos sugerem que o desempenho motor está ligado ao aumento da via da sinalização neuronal.

De forma a dissecar outro mecanismo possível subjacente ao efeito benéfico da blueberry sobre o desempenho dos ratos, estes também foram testados quanto à sua memória de trabalho. Os resultados indicaram que houve um aumento da plasticidade do hipocampo e do desempenho cognitivo, através de mecanismos envolvendo também a neurogénese, apesar de esta capacidade ir diminuindo ao longo do envelhecimento (Casadesus et al., 2004).

Em suma, de acordo com os estudos apresentados, a suplementação com blueberry pode atenuar o envelhecimento cerebral e o declínio no desempenho comportamental relacionado com a idade dos roedores. A suplementação com blueberry confere protecção significativa contra os decréscimos no desempenho e também induz a libertação factores em circulação que proporcionam protecção contra estímulos como o stress oxidativo (Duffy et al., 2008).


Suplementação e consumo

O mirtilo, tal como outras frutas, não está disponível apenas fresco, mas também em várias formas processadas termicamente (chás, geleias, compotas, sumos, enlatados e purés).

Os métodos de processamento variam no número de etapas, temperatura de aquecimento e duração e podem afetar significativamente o teor de polifenóis e a capacidade antioxidante do mirtilo (Srivastava et al., 2007). Nesta linha de trabalho, Kalt e colaboradores (2000) relataram que vários produtos comerciais de blueberry variavam significativamente na capacidade antioxidante, mas as fontes das frutas, formulações e técnicas de processamento eram desconhecidas. Já num estudo envolvendo produtos comerciais da mesma variedade de mirtilo, obtidos através de processamento térmico, verificou-se que estes mantiveram a maior parte da atividade antioxidante e componentes fenólicos totais. No entanto, as atividades anti-proliferativas estavam muito diminuídas (Schmidt et al., 2005).

Por outro lado, Brownmiller e colegas (2008) relataram que o processamento de blueberry em várias formas resultou em perdas significativas de antocianinas monoméricas (28-59%) e de capacidade antioxidante (53-71%). As antocianinas monoméricas foram extensivamente degradadas durante o armazenamento em todos os produtos processados termicamente. Os valores da capacidade antioxidante baixaram muito quando dos processamentos térmicos, mas durante todo o período de armazenamento não sofreram praticamente alterações (Brownmiller et al., 2008). Num outro estudo verificou-se também que o armazenamento prolongado do extracto de V. corymbosum à temperatura ambiente reduz significativamente os compostos fenólicos. O estudo mostrou também que o congelamento ou o armazenamento a baixas temperaturas é o ideal para manter os componentes bioativos do fruto (Srivastava et al., 2007). Desta forma, conclui-se que as condições de aquecimento e armazenamento podem afetar de forma significativa os compostos fenólicos e as suas atividades biológicas.

Assim sendo, não existem estudos relativamente ao consumo médio, nem ao consumo aconselhável de mirtilo. Apenas existem pesquisas específicas de determinados componentes biológicos presentes no mirtilo, como os flavonóis. Verificou-se que o consumo médio de flavonóis era de 20-25 mg/dia em diferentes regiões do mundo, como EUA, Dinamarca e Holanda (Hertog et al., 1993; Justesen et al., 1997; Sampson et al., 2002). No entanto, em países como a Finlândia, onde se consome grandes quantidades de frutos silvestres, os valores são muito superiores (Seeram, 2008b).

Um teor demasiado elevado de polifenóis, especialmente de taninos, pode ter efeitos adversos, pois estes inibem a biodisponibilidade de ferro, tiamina e de enzimas digestivas do trato gastrointestinal. Os compostos fenólicos também podem limitar a biodisponibilidade de proteínas com as quais eles formam complexos insolúveis no trato gastrointestinal (Szajdek & Borowska, 2008).


Bibliografia

Matéria compilado da tese de mestrado "O Mirtilo e suas Propriedades Terapêuticas" AUTOR Tiago Filipe Pereira de Jesus que fez um trabalho muito honroso e significativo, obrigado por compartilhar da rede o conhecimento.  


Ahuja, S., Kaack, B. e Roberts, J. (1998). Loss of fimbrial adhesion with the addition of Vaccinium macrocarpon to the growth medium of p-fimbriated E. coliJ Urol, 159, pp. 559-562.

Alberti, K. G. et al. (2009). Harmonizing the metabolic syndrome: a joint interim statement of the International Diabetes Federation Task Force on Epidemiology and Prevention; National Heart, Lung, and Blood Institute; American Heart Association; World Heart Federation; International Atherosclerosis Society; and International Association for the Study of Obesity. Circulation, 120, pp. 1640-1645.

Arts, I. C. e Hollman, P. C. (2005). Polyphenols and disease risk in epidemiologic studies. Am J Clin Nutr, 81, pp. 317-325.

Ascherio, A. et al. (2005). Vitamin E intake and risk of amyotrophic lateral sclerosis. Ann Neurol, 57 (1), pp. 104-110.

Atalay, M. et al. (2003). Anti-angiogenic property of edible berry in a model of hemangioma. Febs Lett, 544, pp. 252-257.

Austin, M. A. (1991). Plasma triglyceride and coronary heart disease. Arterioscler Thromb, 11, pp. 2-14.

Avorn, J. et al. (1994). Reduction of bacteriuria and pyuria after ingestion of cranberry and blueberry juices. J Am Med Assoc, 271, pp. 751-754.

Bagchi, D. et al. (2004). Anti-angiogenic, antioxidant, and anti-carcinogenic properties of a novel anthocyanin-rich berry extract formula. Biochemistry, 69(1), pp. 75-80.

Bailey D. T. et al. (2007). Can a concentrated cranberry extract prevent recurrent urinary tract infections in women? Phytomedicine, 14, pp. 237-241.

Baricevic, D. et al. (2001). Topical anti-inflammatory activity of Salvia officianalis L. leaves: the relevance of ursolic acid. J Ethnopharmacol, 75, pp. 125-132.

Barnes, P. J. e Karin, M. (1997). Nuclear factor-κB: a pivotal transcription factor in

chronic inflammatory diseases. N Engl J Med, 336, pp. 1066-1071.
Basu, A. 
et al. (2010). Blueberries decrease cardiovascular risk factors in obese men

and women with metabolic syndrome. J Nutr, 140, pp. 1582-1587.
Beckman, K. B. e Ames, B. N. (1998). The free radical theory of aging matures. 
Physiol

Rev, 78, pp. 547-581.
Berger, M. M. (2005). Can oxidative damage be treated nutritionally? 
Clin Nutr, 24, pp.

172-183.
Birkedal-Hansen, H. (1993). Role of matrix metalloproteinases in human periodontal

diseases. J Periodontol, 64, pp. 474-484.
Blomhoff, R. (2005). Dietary antioxidants and cardiovascular disease. 
Curr Opin

Lipidol, 16, pp. 47-54.

Bodet, C., Chandad, F. e Grenier, D. (2006a). Anti-inflammatory activity of a highmolecular-weight cranberry fraction on macrophages stimulated by lipopolysaccharides from periodontopathogens. J Dent Res, 85(3), pp. 235-239.

Bodet, C. et al. (2006b). Inhibition of periodontopathogen- derived proteolytic enzymes by a high-molecular-weight fraction isolated from cranberry. J Antimicrob Chemother, 57(4), pp. 685-690.

Bodet, C., Chandad, F. e Grenier, D. (2007a). Cranberry components inhibit interleukin- 6, interleukin-8, and prostaglandin Eproduction by lipopolysaccharide-activated gingival fibroblasts. Eur J Oral Sci, 115(1), pp. 64-70.

Bodet, C., Chandad, F. e Grenier, D. (2007b). Inhibition of host extracellular matrix destructive enzyme production and activity by a high-molecular-weight cranberry fraction. J Periodontal Res, 42(2), pp. 159-168.

Bodet, C. et al. (2008). Potential oral health benefits of cranberry. Crit Rev Food Sci, 48, pp. 672-680.

Bonetti, P. O., Lerman, L. O. e Lerman, A. (2003). Endothelial dysfunction: a marker of

atherosclerotic risk. Arterioscler Thromb Vasc Biol, 23, pp. 168-175.
Bonifait, L. e Grenier, D. (2010). Cranberry polyphenols: potencial benefits for dental

caries and periodontal disease. J Can Dent Assoc, 76, p. 130.
Boos, C. J. e Lip, G.Y. (2006). Is hypertension an inflammatory process? 
Curr Pharm

Des, 12, pp. 1623-1635.
Bottone, F. G., 
et al. (2004). Gene modulation by Cox-1 and Cox-2 specific inhibitors

in human colorectal carcinoma cancer cells. Carcinogenesis, 25, pp. 349-357.

Brownmiller, C., Howard, L. R. e Prior, R. L. (2008). Processing and storage effects on monomeric anthocyanins, percent polymeric color, and antioxidant capacity of processed blueberry products. J Food Sci, 73(5), pp. 72-79.

Burger, O. et al. (2000). A high molecular mass constituent of cranberry juice inhibits Helicobacter pylori adhesion to human gastric mucus. Fems Immunol Med Mic, 29, pp. 295-301

Burger, O. et al. (2002). Inhibition of H. pylori adhesion to human gastric mucus by a high-molecular-weight constituent of cranberry juice. Crit Rev Food Sci, 42, pp. 279- 284.

Cani, P. D. et al. (2007). Metabolic endotoxemia initiates obesity and insulin resistance. Diabetes, 56, pp. 1761-1772.

Canter, P. H. e Ernst, E. (2004). Anthocyanosides of Vaccinium myrtillus (bilberry) for night vision – a systematic review of placebo-controlled trials. Surv Ophthalmol, 49(1), pp. 38-50.

Casadesus, G. et al. (2004). Modulation of hippocampal plasticity and cognitive behavior by short-term blueberry supplementation in aged rats. Nutr Neurosci, 7, pp. 309-316.

Celermajer, D. S. et al. (1996). Passive smoking and impaired endothelium-dependent arterial dilatation in healthy young adults. N Engl J Med, 334, pp. 150-154.

Chambers, B. K. e Camire, M. E. (2003) Can cranberry supplementation benefit adults

with type 2 diabetes? Diabetes Care, 26, pp. 2695-2696.
Charles, K. J. 
et al. (2009). Assessment of the stability of human viruses and coliphage

in groundwater by PCR and infectivity methods. J Appl Microbiol, 106, pp. 1827-1837. Cheng, A. e Fantus, I. (2005). Oral antihyperglycemic therapy for type 2 diabetes

mellitus. Can Med Assoc J, 172, pp. 213-226.
Côté, J. 
et al. (2010). Bioactive compounds in cranberries and their biological

properties. Crit Rev Food Sci, 50 (7), pp. 666-679.
Cravotto, G. 
et al. (2010). Phytotherapeutics: an evaluation of the potential of 1000

plants. J Clin Pharm Ther, 35, pp. 11-48.

Curtis, P. J. et al. (2009). Cardiovascular disease risk biomarkers and liver and kidney function are not altered in postmenopausal women after ingesting an elderberry extract rich in anthocyanins for 12 weeks. J Nutr, 139, pp. 2266-2271.

Cuzzocrea, S. et al. (2001). Antioxidant therapy: a new pharmacological approach in shock, inflammation, and ischemia/ reperfusion injury. Pharmacol Rev, 53, pp. 135- 159.

Cuzzocrea, S., Thiemermann, C. e Salvemini, D. (2004). Potential therapeutic effect of antioxidant therapy in shock and inflammation. Curr Med Chem, 11, pp. 1147-1162.

Dai, Q. et al. (2006). Fruit and vegetable juices and Alzheimer’s disease: the Kame Project. Am J Med, 119 (9), pp. 751-759

Dawson, D. J. et al. (2005). Survival of viruses on fresh produce, using MS2 as a surrogate for norovirus. J Appl Microbiol, 98, pp. 203-209.

DeFuria, J. et al. (2009). Dietary blueberry attenuates whole-body insulin resistance in high fat-fed mice by reducing adipocyte death and its inflammatory sequelae. J Nutr, 139, pp. 1510-1516.

Del Rio, D., Borges, G. e Crozier, A. (2010). Berry flavonoids and phenolics:

bioavailability and evidence of protective effects. Br J Nutr, 104, pp. 67-90.
de Rijk, M. C. 
et al. (1997). Dietary antioxidants and Parkinson disease. The Rotterdam

study. Arch Neurol, 54 (6), pp. 762-765.

Di Martino, P. et al. (2006). Reduction of Escherichia coli adherence to uroepithelial bladder cells after consumption of cranberry juice: a double-blind randomized placebocontrolled cross-over trial. World J Urol, 24, pp. 21-27.

Dorell, N., Crabtree, J. E. e Wren, B. W. (1998). Host-bacterial interactions and the pathogenesis of Helicobacter pylori infection. Trends Microbiol, 6, pp. 379-381.

Duarte, S. et al. (2006). Inhibitory effects of cranberry polyphenols on formation and acidogenicity of Streptococcus mutans biofilms. Fems Microbiol Lett., 257, pp. 50-56.

Duffy, K. B. et al. (2008). A blueberry-enriched diet provides cellular protection against oxidative stress and reduces a kainite-induced learning impairment in rats. Neurobiol Aging, 29, pp. 1680-1689.

Duizer, E. et al. (2004). Laboratory efforts to cultivate noroviruses. J Gen Virol, 85, pp. 79-87.

Dunn, B. E., Cohen, H. e Blaser, M. J. (1997). Helicobacter pyloriClin Microbiol Rev, 10(4), pp. 720-741.

Duthie, S. J. et al. (2006). The effects of cranberry juice consumption on antioxidant status and biomarkers relating to heart disease and cancer in healthy human volunteers. Eur J Clin Nutr, 45, pp. 113-122.

Eley, B. M. e Cox, S. W. (2003). Proteolytic and hydrolytic enzymes from putative periodontal pathogens: characterization, molecular genetics, effects on host defenses and tissues and detection in gingival crevice fluid. Periodontol 2000, 31, pp. 105-124.

Elks, C. M. et al. (2011). A blueberry enriched diet attenuates nephropathy in a rat model of hypertension via reduction in oxidative stress. Plos one, 6(9), e24028.

Emerit, J., Edeas, M. e Bricaire, F. (2004). Neurodegenerative diseases and oxidative

stress. Biomed Pharmacother, 58, pp. 39-46.
Erlund, I. 
et al. (2008). Favorable effects of berry consumption on platelet function,

blood pressure, and HDL cholesterol. Am J Clin Nutr, 87, pp. 323-331.
Esch, T. 
et al. (2002). Stress-related diseases – a potential role for nitric oxide. Med Sci

Monit, 8, pp. 103-118.
Ferguson, P. 
et al. (2004). A flavonoid fraction from cranberry extract inhibits

proliferation of human tumor cell lines. J Nutr, 134, pp. 1529-1535.
Fernald, M. L. (1950). 
Gray's manual of botany. Eighth edition. American Book

Company, New York.
Floyd, R. A. (1999). Antioxidants, oxidative stress, and degenerative neurological

disorders. Proc Soc Exp Biol Med, 222, pp. 236-245.
Floyd, R. A. e Hensley, K. (2002). Oxidative stress in brain aging. Implications for

therapeutics of neurodegenerative diseases. Neurobiol Aging, 23, pp. 795-807.
Foo, L. Y. 
et al. (2000). A-type proanthocyanidin trimers from cranberry that inhibit

adherence of uropathogenic p-fimbriated E. coliJ Nat Prod, 63, pp. 1225-1228. Fournier, D. B. e Gordon, G. B. (2000). COX-2 and colon cancer: potential targets for

chemoprevention. J Cell Biochem, 77, pp. 97-102.
Gaffney, R.A. 
et al. (1995). Effect of vaginal fluid on adherence of type 1 piliated E.

coli to epithelial cells. J Infect Dis, 172, pp. 1528-1535.
Gazzani, G., Daglia, M. e Papetti, A. (2012). Food components with anticaries activity.

Curr Opin Biotech, 23, pp. 153-159.

Gilissen, E. P., Jacobs, R. E. e Allman, J. M. (1999). Magnetic resonance microscopy of iron in the basal forebrain cholinergic structures of the aged mouse lemur. J Neurol Sci, 168, pp. 21-27.

Gordon, M. N. et al. (1997). Exaggerated astrocyte reactivity after nigrostriatal

deafferentation in the aged rat. J Comp Neurol, 388, pp. 106-119.

Grenier, D. et al. (2002). Inhibition of proteolytic, serpinolytic, and progelatinase-b activation activities of periodontopathogens by doxycycline and the non-antimicrobial chemically modified tetracycline derivatives. J Periodontol, 73, pp. 79-85.

Griffin, L. et al. (2005). Induction of apoptosis in tumor cell lines by polyphenolic compounds isolated from Vaccinium macrocarponAmerican Society for Cell Biology.

Griffiths, P. (2003). The role of cranberry juice in the treatment of urinary tract infections. Br J Commun Nurs, 8(12), pp. 557-561.

Grimble, R. F. (2003). Inflammatory response in the elderly. Curr Opin Clin Nutr Metab Care, 6, pp. 21-29.

Haddad, P. S., et al. (2003). Comparative study on the medicinal plants most recommended by traditional practitioners in Morroco and Canada. J Herbs Spices Med Plants, 10, pp. 25-45.

Haffajee, A. D. e Socransky, S. S. (1994). Microbial etiological agents of destructive periodontal diseases. Periodontol 2000, 5, pp. 78-111.

Haffner, S. M. (2006). The metabolic syndrome: inflammation, diabetes mellitus, and cardiovascular disease. Am J Cardiol, 97, pp. 3-11.

Häkkinen, S. et al. (1999). Screening of selected flavonoids and phenolic acids in 19 berries. Food Res Int, 32, pp. 345-353.

Halliwell, B. (1999). Establishing the significance and optimal intake of dietary antioxidants: the biomarker concept. Nutr Rev, 57, pp. 104-113.

Heart and Stroke Foundation of Canada. (2003). The Growing Burden of Heart Disease and Stroke in Canada. [Em linha]. Disponível em . [Consultado em 10/4/2013].

Hensley, K. et al. (1995). Brain regional correspondence between Alzheimer’s disease

histopathology and biomarkers of protein oxidation. J Neurochem, 65, pp. 2146-2156.

Hensley, K. et al. (1998). Electrochemical analysis of protein nitrotyrosine and dityrosine in the Alzheimer brain indicates region-specific accumulation. J Neurosci, 18, pp. 8126-8132.

Herath, H. M., Takano-Ishikawa, Y. e Yamaki, K. (2003). Inhibitory effect of some flavonoids on tumor necrosis factor-alpha production in lipopolysaccharide-stimulated mouse macrophage cell line J774.1. J Med Food, 6, pp. 365-370.

Hertog, M. G. L. et al. (1993). Intake of potentially anticarcinogenic flavonoids and their determinants in adults in the Netherlands. Nut Cancer, 20, pp. 21-29.

Hertog, M. G. et al. (1995). Flavonoid intake and long-term risk of coronary heart disease and cancer in the seven countries study. Arch Intern Med, 155, pp. 381-386.

Holvoet, P. et al. (2008). Association between circulating oxidized low-density lipoprotein and incidence of the metabolic syndrome. J Am Med Assoc, 299, pp. 2287- 2293.

Howell, A. B. (2002). Cranberry proanthocyanidins and the maintenance of urinary tract health. Crit Rev Food Sci Nutr, 42, pp. 273278.

Howell, A. B. et al. (2005). A-type cranberry proanthocyanidins and uropathogenic bacterial anti-adhesion activity. Phytochemistry, 66(18), pp. 2281-2291.

Hu, F. B. e Willett, W. C. (2002). Optimal diets for prevention of coronary heart disease. J Am Med Assoc, 288, pp. 2569-2578.

International Diabetes Federation. (2005). IDF – International Diabetes Federation – Prevalence. [Em linha]. Disponível em . [Consultado em 22/04/2013].

Jepson, R. G. et al. (2008). Cranberries for preventing urinary tract infections. Cochrane Database Syst Rev, 23:CD001321.

Johnson, J. R., et al. (2003). Identification of urovirulence traits in E. coli by comparison of urinary and rectal E. coli isolates from dogs with urinary tract infection. J Clin Microbiol, 41, pp. 337-345.

Joseph, J. A. et al. (1999). Reversals of age-related declines in neuronal signal transduction, cognitive and motor behavioral deficits with blueberry, spinach or strawberry dietary supplementation. J Neurosci, 19, pp. 8114-8121.

Joseph, J. A. et al. (2003). Blueberry supplementation enhances signaling and prevents behavioral deficits in an Alzheimer disease model. Nutr Neurosci, 6, pp. 153-162.

Joseph, J. A., Shukitt-Hale, B. e Casadesus, G. (2005). Reversing the deleterious effects of aging on neuronal communication and behavior: beneficial properties of fruit polyphenolic compounds. Am J Clin Nutr, 81, pp. 313-316.

Junqueira, V. B. et al. (2004). Aging and oxidative stress. Mol Aspects Med, 25, pp. 5- 16.

Justesen, U., Knuthsen, P. e Leth, T. (1997). Determination of plant polyphenols in Danish foodstuffs by HPLC-UV and LC-MS detection. Cancer Lett, 114, pp. 165-167.

Kadowaki, T. et al. (2004). Suppression of pathogenicity of Porphyromonas gingivalis by newly developed gingipain inhibitors. Mol Pharmacol, 66, pp. 1599-1606.

Kalea, A. Z. et al. (2009). Vascular reactivity is affected by dietary consumption of wild blueberries in the Sprague-Dawley rat. J Med Food, 12, pp. 21-28.

Kalt, W. e Dufour, D. (1997). Health functionality of blueberries. Hort Technol, 7, pp. 216-222.

Kalt, W. et al. (1999). Antioxidant capacity, vitamin C, phenolics, and anthocyanins after fresh storage of small fruits. J Agric Food Chem, 47, pp. 4638-4644.

Kalt, W. et al. (2008). Effect of blueberry feeding on plasma lipids in pigs. Br J Nutr, 100, pp. 70-78.

Kalt, W., McDonald, J. E. e Donnor, H. (2000). Anthocyanins, phenolics, and antioxidant capacity of processed lowbush blueberry products. J Food Sci, 65, pp. 390- 393.

Kandil, F. E. et al. (2002). Composition of a chemopreventive proanthocyanidin rich fraction from cranberry fruits responsible for the inhibition of TPA-induced ODC activity. J Agric Food Chem, 50, pp. 1063-1069.

Karlsen, A. et al. (2007). Anthocyanins inhibit nuclear factor-kappaB activation in monocytes and reduce plasma concentrations of proinflammatory mediators in healthy adults. J Nutr, 137, pp. 1951-1954.

Karlsen, A. et al. (2010). Bilberry juice modulates plasma concentration of NF-kappaB related inflammatory markers in subjects at increased risk of CVD. Eur J Nutr, 49, pp. 345-355.

Keren, G. et al. (1988). Failure of influenza vaccination in the aged. J Med Virol, 25(1), pp. 85-89.

Khan, S. R. (2013). Reactive oxygen species as the molecular modulators of calcium oxalate kidney stone formation: evidence from clinical and experimental investigations. J Urol, 189, pp. 803-811.

Kim, H. et al. (2005). Metabolic and pharmacological properties of rutin, a dietary quercetin glycoside, for treatment of inflammatory bowel disease. Pharm Res, 22, pp. 1499-1509.

Kim, B. H., Akoh, C. C. e Lee, B. Y. (2010). The effects of high dietary lard on hypertension development in spontaneously hypertensive rats. J Med Food, 13, pp. 1263-1272.

Klein, J. A. e Ackerman, S. L. (2003). Oxidative stress, cell cycle, and neurodegeneration. J Clin Invest, 111, pp. 785-793.

Knekt, P. et al. (2002). Flavonoid intake and risk of chronic diseases. Am J Clin Nutr, 76, pp. 560-568.

Koo, H. et al. (2006). Influence of cranberry juice on glucan-mediated processes

involved in Streptococcus mutans biofilm development. Caries Res, 40, pp. 20-27.

Kuhlencordt, P. J. et al. (2001). Genetic deficiency of inducible nitric oxide synthase reduces atherosclerosis and lowers plasma lipid peroxides in apolipoprotein E-knockout mice. Circulation, 103, pp. 3099-3104.

Labrecque, J. et al. (2006). Effects of a high-molecularweight cranberry fraction on growth, biofilm formation and adherence of Porphyromonas gingivalisJ Antimicrob Chemother, 58(2), pp. 439-443.

Lane, N. (2003). A unifying view of ageing and disease: the double-agent theory. J Theor Biol, 225, pp. 531-540.

Lipson, S. M. et al. (2007a). Antiviral effects on bacteriophages and rotavirus by cranberry juice. Phytomedicine, 14, pp. 23-30.

Lipson, S. M. et al. (2007b). Cranberry cocktail juice, cranberry concentrates, and proanthocyanidins reduce reoviruse infectivity titers in African green monkey kidney epithelial cell cultures. Mol Nutr Food Res, 51, pp. 752-758.

Loft, S. e Poulsen, H. E. (1996). Cancer risk and oxidative DNA damage in man. J Mol Med, 74, pp. 297-312.

Martin, A. et al. (2002). Effects of fruits and vegetables on levels of vitamins E and C in the brain and their association with cognitive performance. J Nutr Health Aging, 6, pp. 392-404.

Martineau, L. C. et al. (2006). Anti-diabetic properties of the Canadian lowbush blueberry Vaccinium angustifolium Ait. Phytomedicine, 13, pp. 612-623.

Matchett, M. D. et al. (2006). Inhibition of matrix metalloproteinase activity in DU145 human prostate cancer cells by flavonoids from lowbush blueberry (Vaccinium angustifolium): Possible roles for protein kinase C and mitogen activated protein kinase mediated events. J Nutr Biochem, 17, pp. 117-125.

Matchett, M. D., et al. (2005). Lipopolysaccharide, cranberry flavonoids and regulation of ornithine decarboxylase (ODC) and spermidine/ spermine N1-acetyltransferase (SSAT) expression in Hras transformed cells. J FASEB, 19, p. 825.

Maxwell, C. J. et al. (2005). Supplemental use of antioxidant vitamins and subsequent risk of cognitive decline and dementia. Dement Geriatr Cogn Disord, 20 (1), pp. 45-51.

Mazzucchelli, C. et al. (2002). Knockout of ERK1 MAP kinase enhances synaptic plasticity in the striatum and facilitates striatal-mediated learning and memory. Neuron, 34, pp. 807-820.

McGeer, E. G. e McGeer, P. L. (2003). Inflammatory processes in Alzheimer’s disease. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry, 27, pp. 741-749.

Micheau, J. e Riedel, G. (1999). Protein kinases: which one is the memory molecule? Cell Mol Life Sci, 55, pp. 534-548.

Mitscher, L. A. et al. (1996). Natural antimutagenic agents. Mutat ResFund Mol M, 350, pp. 143-152.

Møller, L.A., Lose, G. e Jørgensen, T. (2000). The prevalence and bothersomeness of lower urinary tract symptoms in women 4060 years of age. Acta Obstet Gynecol Scand, 79, pp. 298-305.

Mrak, R. E. e Griffin, W. S. (2005). Glia and their cytokines in progression of neurodegeneration. Neurobiol Aging, 26, pp. 349-354.

Musso, G., Gambino, R. e Cassader, M. (2011). Interactions between gut microbiota and host metabolism predisposing to obesity and diabetes. Annu Rev Med, 62, pp. 361- 380.

Muth, E. C. et al. (2000). The effect of bilberry nutricional supplementation on night visual acuity and contrast sensitivity. Altern Med Rev, 5(2), pp. 164-173.

Naruse, K. et al. (1994) Long-term inhibition of NO synthesis promotes atherosclerosis in the hypercholesterolemic rabbit thoracic aorta. PGH2 does not contribute to impaired endothelium-dependent relaxation. Arterioscler Thromb, 14, pp. 746-752.

Neto, C. C. et al. (2006). MALDI-TOF MS characterization of proanthocyanidins from cranberry fruit (Vaccinium macrocarpon) that inhibit tumor cell growth and matrix metalloproteinase expression in vitro. J Sci Food Agric, 86, pp. 18-25.

Neto, C. C. (2007). Cranberry and its phytochemicals: a review of in vitro anticancer studies. J Nutr, 137, pp. 186-193.

Neto, C. C., Amoroso, J. W. e Liberty, A. M. (2008). Anticancer activities of cranberry phytochemicals: an update. Mol Nutr Food Res, 52, pp. 18-27.

Nijveldt, R. J. et al. (2001). Flavonoids: a review of probable mechanisms of action and potential applications. Am J Clin Nutr, 74, pp. 418-425.

Offenbacher, S., Heasman, P. A. e Collins, J. G. (1993). Modulation of host PGE2 secretion as a determinant of periodontal disease expression. J Periodontol, 64, pp. 432- 444.

Okada, H. e Murakami, S. (1998). Cytokine expression in periodontal health and disease. Crit Rev Oral Biol Med, 9, pp. 248-266.

O'Leary, K. et al. (2004). Effect of flavonoids and Vitamin E on cyclooxygenase-2 (COX-2) transcription. Mutat Res, 551, pp. 245-254.

Padwal, R., Campbell, N. e Touyz, R. M. (2005). Applying the 2005 canadian hypertension education program recommendations: 3. Lifestyle modifications to prevent and treat hypertension. Can Med Assoc J, 173, pp. 749-751.

Paquette, D.W. e Williams, R. C. (2000). Modulation of host inflammatory mediators as a treatment strategy for periodontal diseases. Periodontol 2000, 24, pp. 239-252.

Peredes-López, O. et al. (2010). Berries: improving human health and healthy aging, and promoting quality life-a review. Plant Foods Hum Nutr, 65, pp. 299-308.

Perry, S. W. et al. (2002). Tumor necrosis factor-alpha in normal and diseased brain: conflicting effects via intraneuronal receptor crosstalk. J Neurovirol, 8, pp. 611-624.

Persson, I. A.L., Persson, K. e Andersson, R. G. G. (2009). Effect of Vaccinium myrtillus and its polyphenols on angiotensin-converting enzyme activity in human endothelial cells. J Agric Food Chem, 57, pp. 4626-4629.

Prior, R. L. et al. (2010). Purified blueberry anthocyanins and blueberry juice alter development of obesity in mice fed an obesogenic high-fat diet. J Agric Food Chem, 58, pp. 3970-3976.

Pryor, W. A. (1997). Cigarette smoke radicals and the role of free radicals in chemical carcinogenicity. Environ Health Perspect, 105, pp. 875-882.

Pupa, S. M. et al. (2002). New insights into the role of extracellular matrix during tumor onset and progression. J Cell Physiol, 192, pp. 259-267.

Puupponen-Pimiä, R. et al. (2005). Bioactive berry compounds-novel-tools against human pathogens. Appl Microbiol Biotechnol, 67, pp. 8-18.

Reid, G. et al. (2001). Cranberry juice consumption may reduce biofilms on uroepithelial cells: pilot study in spinal cord injured patients. Spinal Cord, 39, pp. 26- 30.

Ringbom, T. et al. (1998). Ursolic acid from Plantago major, a selective inhibitor of cyclooxygenase- 2 catalyzed prostaglandin biosynthesis. J Nat Prod, 61, pp. 1212-1215.

Robards, K. e Antolovich, M. (1997). Analytical chemistry of fruit bioflavonoids: a review. Analyst, 2, pp. 11-34.

Rodriguez-Mateos, A. et al. (2012). Blueberry intervention improves vascular reactivity and lowers blood pressure in high-fat, high-cholesterol-fed rats. Brit J Nutr, 1, pp. 1-9.

Rozovsky, I., Finch, C. E. e Morgan, T. E. (1998). Age-related activation of microglia and astrocytes: in vitro studies show persistent phenotypes of aging, increased proliferation, and resistance to down-regulation. Neurobiol Aging, 19, pp. 97-103.

Ruel, G. et al. (2006). Favourable impact of low-calorie cranberry juice consumption on plasma HDL-cholesterol concentrations in men. Br J Nutr, 96, pp. 357-364.

Ruel, G. e Couillard, C. (2007). Evidences of the cardioprotective potential of fruits: the

case of cranberries. Mol Nutr Food Res, 51, pp. 692-701.

Ruel, G. et al. (2008). Low-calorie cranberry juice supplementation reduces plasma oxidized LDL and cell adhesion molecule concentrations in men. Br J Nutr, 99, pp. 352-359.

Safayhi, H. e Sailer, E. R. (1997). Anti-Inflammatory actions of pentacyclic triterpenes. Planta Med, 63, pp. 487-493.

Sampson, L. et al. (2002). Flavonol and flavone intakes in US health professionals. J Am Diet Assoc, 102, pp. 1414-1420.

Savory, J. et al. (1999). Age-related hippocampal changes in Bcl-2:Bax ratio, oxidative stress, redoxactive iron and apoptosis associated with aluminum-induced neurodegeneration: increased susceptibility with aging. Neurotoxicology, 20, pp. 805- 817.

Schmidt, B. M., Erdman, J. W. e Lila, M. A. (2005). Effects of food processing on blueberry antiproliferation and antioxidant activity. J Food Sci, 70, pp. 389-394.

Seeram, N. P. et al. (2001). Cyclooxygenase inhibitory and antioxidant cyanidin glycosides in cherries and berries. Phytomedicine, 8, pp. 362-369.

Seeram, N. P., Zhang, Y. e Nair, M. G. (2003). Inhibition of proliferation of human cancer cells and cyclooxygenase enzymes by anthocyanidins and catechins. Nutr Cancer, 46, pp. 101-106.

Seeram, N. P. et al. (2006). Blackberry, black raspberry, blueberry, cranberry, red raspberry, and strawberry extracts inhibit growth and stimulate apoptosis of human cancer cells in vitro. J Agric Food Chem, 54, pp. 9329-9339.

Seeram, N. P. (2008a). Berry fruits: compositional elements, biochemical activities, and the impact of their intake on human health, performance, and disease. J Agric Food Chem, 56, pp. 627-629.

Seeram, N. P. (2008b). Berry fruits for cancer prevention: current status and future

prospects. J Agric Food Chem, 56, pp. 630-635.
Shahidi, F. e Naczk, M. (2004). Phenolic compounds in fruits and vegetables. 
Phenol

Food Nutr, pp. 131-156.
Shaughnessy, K. S. 
et al. (2009). Diets containing blueberry extract lower blood

pressure in spontaneously hypertensive stroke-prone rats. Nutr Res, 29, pp. 130-138. Sheng, H. et al. (1997). Inhibition of human colon cancer cell growth by selective

inhibition of cyclooxygenase-2. J Clin Invest, 99, pp. 2254-2259.

Shishodia, S. et al. (2003). Ursolic acid inhibits nuclear factor-jB activation induced by carcinogenic agents through suppression of IjBa kinase and p65 phosphorylation: correlation with down-regulation of cyclooxygenase 2, matrix metalloproteinase 9, and cyclin D1. Cancer Res, 63, pp. 4375-4383.

Shmuely, H. et al. (2007). Effect of cranberry juice on eradication of H. pylori in patients treated with antibiotics and a proton pump inhibitor. Mol Nutr Food Res, 51, pp. 746-751.

Shukitt-Hale, B. et al. (2003). Mechanisms involved in blueberry enhancements of motor and cognitive function in young and old rats. Soc Neurosci Abs, 29, pp. 633.14.

Skupien, K. & Oszmianski, J. (2004). Comparison of six cultivars of strawberries (Fragaria ananassa) grown in northwest Poland. Eur Food Res Technol, 219, pp. 66- 70.

Skyler, J. (2004). Diabetes mellitus: pathogenesis and treatment strategies. J Med Chem, 47, pp. 4113-4117.

Socransky, S. S. et al. (1998). Microbial complexes in subgingival plaque. J Clin Periodontol, 25(2), pp. 134-144.

Song, S. E. et al. (2003). Inhibitory effect of procyanidin oligomer from elm cortex on the matrix metalloproteinases and proteases of periodontopathogens. J Periodontal Res, 38, pp. 282-289.

Sorsa, T. et al. (2006). Matrix metalloproteinases: contribution to pathogenesis,

diagnosis and treatment of periodontal inflammation. Ann Med, 38(5), pp. 306-321.

Srivastava, A. et al. (2007). Effect of storage conditions on the biological activity of phenolic compounds of blueberry extract packed in glass bottles. J Agric Food Chem, 55, pp. 2705-2713.

Steinberg, D. et al. (2004). Effect of a highmolecular- weight component of cranberry on constituents of dental biofilm. J Antimicrob Chemother, 54, pp. 86-89.

Steinberg, D. et al. (2005). Cranberry high molecular weight constituents promote Streptococcus sobrinus desorption from artificial biofilm. Int J Antimicrob Agents, 25, pp. 247-251.

Steinmann, J. (2004). Surrogate viruses for testing virucidal efficacy of chemical disinfectants. J Hosp Infect, 56, pp. 49-54.

Stothers, L. (2002). A randomized trial to evaluate effectiveness and cost effectiveness of naturopathic cranberry products as prophylaxis against urinary tract infection in women. Can J Urol, 9, pp. 1558-1562.

Stull, A. J. et al. (2010). Bioactives in blueberries improve insulin sensitivity in obese, insulin-resistant men and women. J Nutr, 140, pp. 1764-1768.

Subbaramaiah, K. et al. (2000). Ursolic acid inhibits cyclooxygenase-2 transcription in human mammary epithelial cells. Cancer Res, 60, pp. 2399-2404.

Sun, J. e Liu, R. H. (2006). Cranberry phytochemical extracts induce cell cycle arrest and apoptosis in human MCF-7 breast cancer cells. Cancer Lett, 241, pp. 124-134.

Su, X. et al. (2010a). The effect of cranberry juice and cranberry proanthocianidins on the infectivity of human enteric viral surrogates. Food Microbiol, 27, pp. 535-540.

Su, X. et al. (2010b). Antiviral effect of cranberry juice and cranberry proanthocyanidins on foodborn viral surrogates. A time dependence study in vitro. Food Microbiol, 27, pp. 985-991.

Szajdek, A. e Borowska, E. J. (2008). Bioactive compounds and health-promoting

properties of berry fruits: a review. Plant Foods Hum Nutr, 63, pp. 147-156.

Trevithick, J.R. e Mitton, K.P. (1999). Antioxidants and diseases of the eye, in Pappas AM: antioxidant status, diet, nutrition and health. Boca Raton, FL, CRC Press, pp. 545- 565.

Tsuda T., Horio F. e Osawa T. (2002). Cyanidin 3-O-beta-D-glucoside suppresses nitric oxide production during a zymosan treatment in rats. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo), 48, pp. 305-310.

Tzeng, S. H. et al. (1991). Inhibition of platelet aggregation by some flavonoids. Thromb Res, 64, pp. 91-100.

Vattem, D. A. e Shetty, K. (2005). Functional phytochemicals from cranberries: their mechanism of action and strategies to improve functionality. Food Biotechnol, 2, pp. 789-823.

Vinson, J. A. et al. (2008). Cranberries and cranberry products: powerful in vitro, ex vivo, and in vivo sources of antioxidants. J Agr Food Chem, 56, pp. 5884-5891.

Vogel, R. A. (1997). Coronary risk factors, endothelial function, and atherosclerosis: a review. Clin Cardiol, 20, pp. 426-432.

Wang, H., Cao, G. e Prior R. L. (1996). Total antioxidant capacity of fruits. J Agric Food Chem, 44, pp. 701-705.

Wang, J. e Mazza, G. (2002). Effects of anthocyanins and other phenolic compounds on the production of tumor necrosis factor alpha in LPS/ IFN-gamma-activated RAW 264.7 macrophages. J Agric Food Chem, 50, pp. 4183-4189.

Weiss, E. I. et al. (2004). A high molecular mass cranberry constituent reduces mutans streptococci level in saliva and inhibits in vitro adhesion to hydroxyapatite. Fems Microbiol Lett, 232(1), pp. 89-92.

Weiss, E. I. et al. (2005). Cranberry juice constituents affect influenza virus adhesion and infectivity. Antivir Res, 66, pp. 9-12.

WHO. (2011). Cardiovascular diseases. [Em linha]. Disponível em . [Consultado em 20/2/2013]

Wickens, A. P. (2001). Ageing and the free radical theory. Respir Physiol, 128, pp. 379- 391.

Widdowson, M. A. et al. (2004). Outbreaks of acute gastroenteritis on cruise ships and on land: identification of a predominant circulating strain of norovirus - United States, 2002. J Infect Dis, 190, pp. 27-36.

Wobus, C. E., Thackray, L.B. e Virgin, H.W. (2006). Murine norovirus: a model system to study norovirus biology and pathogenesis. J Virol, 80, pp. 5104-5112.

Wu, X. et al. (2010). Dietary blueberries attenuate atherosclerosis in apolipoprotein E- deficient mice by upregulating antioxidant enzyme expression. J Nutr, 140, pp. 1628- 1632.

Wyss-Coray, T. e Mucke, L. (2002). Inflammation in neurodegenerative disease: a double-edged sword. Neuron, 35, pp. 419-432.

Yamanaka, A. et al(2004). Inhibitory effects of cranberry juice on attachment of oral streptococci and biofilm formation. Oral Microbiol Immunol, 19(3), pp. 150-154.

Yamanaka, A. et al. (2006). Inhibitory effect of cranberry polyphenol on proteases of periodontopathic bacteria. J Dent Res, 85 (Special issue A), Abstract 1078.

Yamanaka, A. et al. (2007). Inhibitory effect of cranberry polyphenol on biofilm formation and cysteine proteases of Porphyromonas gingivalisJ Periodontal Res, 42(6), pp. 589-592.

Yang, Y. M. et al. (2010). Transactivation of genes encoding for phase II enzymes and phase III transporters by phytochemical antioxidants. Molecules, 15, pp. 6332-6348.

Yeh, G. Y. et al. (2003). Systematic review of herbs and dietary supplements for glycemic control in diabetes. Diabetes Care, 26, pp. 1277-1294.

Yoon, S. O., Yun, C. H. e Chung, A. S. (2002). Dose effect of oxidative stress on signal

transduction in aging. Mech Ageing Dev, 123, pp. 1597-1604.

Youdim, K. A. et al. (2002). Potential role of dietary flavonoids in reducing microvascular endothelium vulnerability to oxidative and inflammatory insults. J Nutr Biochem, 13, pp. 282-288.

Youdim, K. A., Shukitt-Hale, B. e Joseph, J. A. (2004). Flavonoids and the brain: interactions at the blood-brain barrier and their physiological effects on the central nervous system. Free Radic Biol Med, 37, pp. 1683-1693.

Zadok, D. et al. (1997). The effect of anthocyanosides on night vision tests. Invest Ophthal Vis Sci, 38, p. 633 [abstract].

Zadok, D., Levy, Y. e Glovinsky, Y. (1999). The effect of anthocyanosides in a multiple oral dose on night vision. Eye, 13, pp. 734-736.

Zhang, L. et al. (2005). Efficacy of cranberry juice on H. pylori infection: a double blind, randomized placebo-controlled trial. Helicobacter, 10, pp. 139-145.

Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.