Notícias

Suplementação de sulfato de magnésio na COVID-19

O magnésio como ativador enzimático é essencial para várias funções fisiológicas, como ciclo celular, regulação metabólica, contração muscular e tônus ​​vasomotor. Um crescente corpo de evidências apoia que a suplementação de magnésio (principalmente sulfato de magnésio e óxido de magnésio) previne ou trata vários tipos de distúrbios ou doenças relacionadas ao sistema respiratório, sistema reprodutivo, sistema nervoso, sistema digestivo e sistema cardiovascular, bem como lesão renal, diabetes e câncer. Na atual pandemia (COVID-19), caracterizada por sintomas do trato respiratório com diferentes graus de danos importantes a órgãos e tecidos, a suplementação de Magnésio pode ser uma terapia interessante.
Os possíveis mecanismos existentes pelos quais a suplementação de magnésio melhora os sintomas e doenças pulmonares são através da anti-inflamação, antioxidação e relaxamento do músculo liso brônquico.

O sulfato de magnésio inibe moléculas inflamatórias, incluindo quimiocina (proteína inflamatória de macrófago-2), citocina (Interleucina-6, IL-6), prostaglandina E2 e ciclo-oxigenase-2 no tecido pulmonar, possivelmente por inibir os canais de cálcio do tipo L. Em um modelo de lesão pulmonar aguda, o sulfato de magnésio melhora a histopatologia pulmonar induzida por ácido clorídrico, incluindo infiltração celular inflamatória peribrônquica, infiltração septal alveolar, edema alveolar e exsudação alveolar. Ele também restaura significativamente o estresse oxidativo e a resposta inflamatória na lesão pulmonar aguda induzida por lipopolissacarídeos em camundongos. Essas observações demonstram que o magnésio tem efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios na lesão pulmonar. O sulfato de magnésio também inibe a contração do músculo liso das vias aéreas, bloqueando os canais de cálcio voltagem-dependentes, que é outro mecanismo do magnésio para o tratamento da asma. No entanto, ainda faltam mecanismos moleculares mais detalhados.


A maioria dos pacientes com COVID-19 desenvolve pneumonia acompanhada de sintomas do trato respiratório, incluindo tosse, dor de garganta, produção de expectoração, hemoptise, congestão nasal, dispneia e falta de ar. As características patológicas de COVID-19 mostram lesão alveolar difusa bilateral, e o tecido pulmonar bilateral exibe infiltração inflamatória em pacientes com COVID-19. Os idosos e as pessoas com doenças subjacentes são suscetíveis a infecções e propensas a consequências graves, até mesmo à morte, que pode estar associada à desconforto respiratório agudo, podendo induzir resposta inflamatória e tempestade de citocinas, forte liberação de citocinas pró-inflamatórias IFN-γ, TNF-α, interleucina e quimiocinas, que aumentam os danos aos órgãos e aceleram a deterioração do estado da doença. O sulfato de magnésio, como um antagonista do cálcio, é comumente usado para inibir a contração do músculo liso brônquico e promover a broncodilatação. Também diminui a resposta inflamatória e o estresse oxidativo, bem como melhora a inflamação pulmonar, possivelmente por inibir a via da IL-6, a via do NF-κB e os canais de cálcio do tipo L. Portanto, o sulfato de magnésio tem uma boa perspectiva de aplicação no controle dos sintomas pulmonares.

Referência:
Tang CF, Ding H, Jiao RQ, Wu XX, Kong LD. Possibility of magnesium supplementation for supportive treatment in patients with COVID-19. Eur J Pharmacol. 2020;886:173546. doi:10.1016/j.ejphar.2020.173546

Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.