Tratamentos

Performance no Esporte

O atleta, amador ou profissional, necessita muito mais controle e otimização dos processos fisiológicos. Então TODOS OS CONCEITOS APLICADOS NA MEDICINA PREVENTIVA devem ser aplicados MAIS INTENSAMENTE de maneira a obter MAIS RESULTADOS e prevenir lesões.

O que faz de alguém um vencedor? A genética, o treinamento ou os artifícios da ciência do esporte?

Uma análise destes fatores seria uma forma adequada de melhor entender como os campeões se diferem dos apenas "esforçados".

O corpo humano é uma máquina produtora de energia mecânica, caracterizada pelo trabalho físico, ou seja, pelo movimento.Para produzir movimento nosso aparelho locomotor utiliza a energia disponível a partir da mobilização de vários órgãos e sistemas. Utilizar bem nutrientes, vitaminas , otimizar a queimar dessa glicose em ATP (adenosina tri-fosfato) é o diferencial nos resultados.

Melhorar o condicionamento físico de um indivíduo significa principalmente melhorar sua potência energética. Esta potência energética é razão direta dos sistemas fisiológicos que se adaptam às diferentes solicitações, adquirindo benefícios específicos da prática regular das diferentes modalidades.

Agentes Ergogênicos + Influência do Treinamento Adequado + Influência Genética = RESULTADO ESPORTIVO

O desempenho esportivo resulta, portanto da capacidade de melhorar tal potência energética. Os fatores responsáveis por este efeito podem ser subdivididos em 3 grupos:


GENÉTICA

Costuma-se dizer que um campeão já nasce feito. Também é comum no meio científico afirmar: Quem pretende ser um campeão olímpico deve escolher muito bem seus pais.

Fator Genético

Por trás destas considerações às vezes um pouco "exageradas" existe a certeza da ciência de que a influência genética é absolutamente determinante no desempenho esportivo.

Por mais que se possa investir em um atleta visando o alto rendimento, se ele não tiver uma herança genética favorável, o resultado nunca será compatível com o de um campeão.

Nesse contexto torna-se hoje um assunto polêmico e efervescente a idéia de que a ciência possa interferir, ou talvez já esteja até interferindo, através da engenharia genética em fazer "clones" de campeões.

Talvez até se possa imaginar a possibilidade de manipular genes favoráveis às habilidades esportivas específicas, concebendo geneticamente, um verdadeiro "atleta ideal". Este assunto chega a ser assustador e na sua eventual viabilização no futuro, podemos considerar que a competição estará saindo das pistas ou dos campos para ter lugar nos laboratórios.

Hoje é possível fazer um MAPEAMENTO GENÉTICO PARA PERFORMANCE ESPORTIVA. Assim o atleta será "moldado" no treinamento e recursos ergogênicos de acordo com suas habilidades intrínsecas obtendo assim um resultado acima da média podendo escolher qual é o melhor esporte a praticar, do ponto de vista genético.


TREINAMENTO

Os métodos de treinamento esportivo tiveram enorme desenvolvimento nas últimas décadas. O processo, que no início era uma experiência absolutamente empírica, tornou-se progressivamente o produto do conhecimento científico acumulado.

Treinamento

As técnicas de avaliação física evoluíram sensivelmente, fornecendo aos preparadores físicos e treinadores um diagnóstico preciso da aptidão física do atleta permitindo a elaboração de programas de treinamento “sob medida” para as necessidades individuais.

Certamente no futuro, com a evolução cada vez mais rápida da ciência, este diagnóstico será cada vez mais preciso. As técnicas de diagnóstico por imagem, com a evolução dos métodos de ressonância magnética permitirão “visualizar” músculos e órgãos “por dentro” investigando de forma não invasiva os efeitos do treinamento e principalmente permitindo detectar o potencial físico do atleta de forma cada vez mais precisa e segura.

No futuro o atleta será uma máquina energética mais potente? Conseguiremos à custa do treinamento produzir os super-atletas?

Diante da evolução vista nos últimos anos podemos imaginar que já estamos próximos do limite do potencial energético do atleta moderno. No entanto, as diferenças entre o vencedor e o derrotado serão cada vez menores, enfatizando o resultado dos pequenos progressos que ainda virão.


AGENTES ERGOGÊNICOS

Um dos grandes responsáveis pela melhora da performance humana do ponto de vista energético foi o advento dos chamados agentes ergogênicos.

Agentes Ergogênicos

Literalmente falando o termo significa “produção de trabalho”, ou seja, recursos capazes de aumentar a produção de trabalho físico à custa de maior produção de energia.

Os agentes ergogênicos podem ser sub-divididos em 3 grupos: Fisiológicos, Nutricionais e Farmacológicos.

Os agentes fisiológicos e nutricionais são naturais e lícitos, incluindo adaptação à altitude, dietas especiais, suplementos nutricionais, etc.

Os agentes ergogênicos farmacológicos são ilícitos e caracterizam o doping. O uso desses recursos é que tornam o futuro nos esportes uma incerteza, na qual voltamos a questionar de onde sairá o vencedor: da pista ou do laboratório.

Esse site segue as normas do Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional usando imagens e vídeos de fornecedores / fabricantes de aparelhos. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.